Topo

Advogada presa tentou traficar 40 kg de cocaína, diz polícia

A advogada Elisângela Maria Mororó, 46, foi presa em flagrante com dois homens - Reprodução
A advogada Elisângela Maria Mororó, 46, foi presa em flagrante com dois homens Imagem: Reprodução

Carlos Madeiro

Colaboração para o UOL, em Maceió

15/11/2019 11h20

Resumo da notícia

  • Polícia divulgou print de Whatsapp em que advogada tenta traficar cocaína
  • Por 40 kg da droga, ela pede inicialmente R$ 15 mil por quilo, segundo a polícia
  • Ela e mais dois homens foram presos em flagrante por tráfico e associação para o tráfico

Uma operação da Polícia Militar do Ceará na zona rural da cidade de Catarina (a 408 km de Fortaleza) prendeu uma advogada e dois integrantes de uma organização criminosa foragidos da Justiça (contra eles havia cinco mandados de prisão em aberto). Com o trio, a PM apreendeu 0,5 kg de cocaína, uma pistola e dois veículos que seriam utilizados pelos suspeitos.

A advogada detida é Elisângela Maria Mororó, 46. Um print feito de uma conversa de Whatsapp, divulgado pela polícia, mostra ela tentando traficar 40 kg de cocaína por R$ 15 mil, o quilo. "O potencial comprador dá a proposta de adquirir cada kg por R$ 5.000. Ao final, ela informa que o menor preço que o fornecedor está pedindo é R$ 13,5 mil, alegando que intercedeu dessa forma, pois 'todos têm que ter Natal'", informou a polícia.

Além da advogada, foram presos Vicente Leite Sobreira, 45, vulgo Manin, que responde por tráfico, associação para o tráfico, porte ilegal de arma de fogo e receptação; e Antônio Gonçalves Neto, 31, vulgo Zói, que já responde por homicídios, porte ilegal de arma de fogo, tráfico de drogas, organização criminosa, receptação e associação criminosa.

Os três presos foram conduzidos para a Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas, em Fortaleza, onde foram autuados em flagrante por tráfico, associação para o tráfico de drogas, integrar organização criminosa e posse irregular de arma de fogo de uso restrito.

O UOL não conseguiu contato com os defensores dos suspeitos.

Cotidiano