PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
6 meses
Chuva forte deixa rastro de destruição em Minas Gerais

Andréia Martins

Do UOL, em São Paulo

29/01/2020 08h04Atualizada em 30/01/2020 09h33

Resumo da notícia

  • Chuvas fortes afetaram a capital Belo Horizone e outras cidades do estado
  • As regiões Centro-Sul, Barreiro e Oeste foram as regiões com mais chuva na capital
  • Segundo a Defesa Civil, 54 pessoas morreram e 38.703 estão desalojadas
  • 2 pessoas estão desaparecidas, entre elas, a motorista de um carro que caiu em uma cratera; a previsão para hoje é de mais chuva

A chuva que atingiu Belo Horizonte e parte do estado de Minas Gerais na noite de ontem deixou um rastro de destruição nas cidades e provocou mais uma morte em decorrência das chuvas. As vítimas fatais agora são 54. O número de desalojados passa de 38 mil e duas pessoas estão desaparecidas, de acordo com o novo boletim da Defesa Civil.

Desde o dia 24 de janeiro, 54 pessoas morreram em decorrências das chuvas. Ontem, homem morreu após ficar soterrado em um desabamento no beco entre as ruas Lauro Magalhães Santeiro e a rua Lincoln Tolentino, no bairro Cristais, no município de Nova Lima. Hoje pela manhã, uma mulher morreu após seu carro cair em uma cratera na rodovia MG-133.

Em Nova Lima, os índices pluviométricos atingiram 70 milímetros ontem, o que provocou alagamentos e deslizamentos de terras. O trânsito na rodovia MG-030 foi bloqueado em alguns trechos. Ainda não há previsão de liberação.

Entre as mortes no estado, 42 foram causadas por soterramentos, três por afogamentos e nove pessoas vieram a óbito após serem arrastadas pelas águas.

De acordo com o novo balanço, 38.703 pessoas estão desalojadas devido às chuvas. Há 8.157 desabrigados, 65 feridos e uma pessoa desaparecida.

BH tem alagamentos e teto de shopping desaba

Na capital mineira, a manhã foi de limpeza e reparo devido aos estragos provocados pela chuva de ontem. As regiões Centro-Sul e Oeste da cidade foram as mais atingidas.

Segundo a Defesa Civil de Belo Horizonte, choveu 117.4 milímetros entre as 19h e as 22h, mais da metade prevista para todo o mês de janeiro, que é de 329,1 mm. Para hoje, a previsão é de pancadas de chuva (50 a 70 mm) com raios e rajadas de vento que podem superar os 50 km/h, até as 8h de amanhã.

A medição feita pela Defesa Civil até as 22h10 de ontem apontou as regiões Centro-Sul, Barreiro e Oeste como as que tiveram o maior índice pluviométrico da noite.

O recorde de dia mais chuvoso ainda pertence ao último dia 24 de janeiro, quando índice pluviométrico alcançou 171,8 mm. O volume ultrapassou a marca histórica de 14 de fevereiro de 1978, quando choveu 164,2 mm em apenas 24 horas.

No acumulado do mês, somente na região Oeste de Belo Horizonte choveu 959 mm ou seja, 291% do previsto para 30 dias. A região com segundo maior índice pluviométrico foi a Centro-Sul, com 956,8 mm, seguida de Barreiro (873,8 mm), Noroeste (865,6 mm), Leste (750,6 (228%), Pampulha (726,8 mm), Nordeste (682,6,mm), Venda Nova (596,0) e Norte (537,8).

O Corpo de Bombeiros notificou interdições em quatro avenidas: Tereza Cristina, Mário Werneck, Ursula Paulino e Prudente de Morais. A Defesa Civil emitiu um alerta para que ninguém trafegue em vias próximas ao Córrego do Leitão e ao Ribeirão Arrudas, onde o nível da água sobe rapidamente.

Na região Centro-Sul da capital mineira, no bairro de Lourdes, moradores registraram os bueiros transbordando e ruas totalmente alagadas. No bairro São Bento, um carro e um ônibus ficaram presos em meio ao alagamento.

Parte do teto do BH Shopping, um dos principais shoppings de Belo Horizonte, desabou na noite de ontem decorrência do temporal. Por volta das 20:30 horas, algumas placas do forro de gesso do 4° piso se soltaram. Vídeos postados nas redes sociais mostram o momento exato em que a estrutura de gesso cede. As imagens mostram duas quedas; na segunda, a iluminação também despenca.

Acionado, o Corpo de Bombeiros enviou equipes até o local e não constatou vítimas. Em nota, o BH Shopping informou que a equipe de manutenção atuou para reparar o dano causado pela chuva e o estabelecimento abrirá normalmente hoje.

"No momento do incidente nenhuma pessoa foi atingida. O BH Shopping vem acompanhando com atenção os sérios transtornos causados na cidade pelas chuvas dos últimos dias, e se solidariza com toda a população afetada", disse o shopping, que também montou um ponto de arrecadação de donativos para serem doados aos desabrigados.

Durante a madrugada, as autoridades negaram a informação que circulou durante a noite de que a barragem B3/B3, em Macacos, havia rompido. "Em contato com a Vale, a empresa ressaltou que continua monitorando a barragem e que não há nenhum rompimento", informou a Defesa Civil.

Mais de 100 cidades em estado de emergência

Um decreto do governo do estado colocou 101 municípios em estado de emergência devido às chuvas. Outros três também decretaram estado de calamidade pública. São eles: Orizânia, Ibirité e Catas Altas. Além desses, as prefeituras de outros 36 municípios decretaram situação de emergência.

Cotidiano