PUBLICIDADE
Topo

PMs colocam jovem baleado em carro, não socorrem e família se desespera

Luís Adorno

Do UOL, em São Paulo

27/02/2020 16h45

Resumo da notícia

  • Jovem de 20 anos foi baleado por PMs em Rio Claro na terça-feira (25)
  • PM disse que ele foi atingido porque fez menção de colocar mão na cintura
  • Jovem foi socorrido após alguns minutos para a Santa Casa da cidade
  • Internado, rapaz tem estado de saúde considerado estável

Um jovem foi baleado por policiais militares, na tarde de terça-feira (25), em Rio Claro, no interior de São Paulo. Após um tiro ter atingido o rapaz, os policiais o colocaram dentro do carro da corporação. No entanto, demoraram para socorrer, o que deixou familiares desesperados.

Maicon Souza Soares, 20, está internado na Santa Casa de Rio Claro e seu estado de saúde é considerado estável. Um vídeo gravado por uma parente dele mostra o jovem dentro da viatura estacionada por pelo menos três minutos.

Pelo vídeo, é possível ver familiares cobrando que ele fosse socorrido a um hospital o quanto antes. "Queria ver se fosse seu filho ou seu irmão, o que você ia fazer. Iam deixar dentro da viatura?", questionou a irmã do jovem.

Na sequência, um dos policiais afirma que o superior deles estava chegando e que iriam socorrê-lo. "Moço, abre isso aqui, ele tá branco, por favor", gritou uma familiar.

"Ele tá bem, ele tá bem, a gente já está levando ele", respondeu o policial. A mãe do jovem retrucou: "Você é algum médico para saber se ele está bem?". O policial disse, na sequência, que o rapaz não havia sido baleado, mas, sim caído da moto.

A versão apresentada pelo policial à família, no momento do caso, contradiz o que afirma a corporação oficialmente.

"Os policiais tentaram abordar e ele fugiu numa moto. Efetuaram um disparo porque ele fez menção de levar a mão à cintura. Foi instaurado IPM (inquérito policial militar), como é praxe nesse tipo de ocorrência. Os policiais foram encaminhados para acompanhamento psicológico, como também é de praxe", informou a corporação.

Ainda segundo a PM, os policiais "acionaram o Samu para socorrer, mas demorou um pouco e resolveram fazer o socorro". Questionada se os policiais foram afastados do serviço operacional, a PM informou que "foram encaminhados para avaliação psicológica". Questionada por quanto tempo, a corporação respondeu que depende da avaliação psicológica.

O ouvidor das polícias, Elizeu Soares Lopes afirmou que abrirá procedimento na Ouvidoria e que encaminhará à Corregedoria o vídeo, pedindo providências.

Segurança pública