PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
9 meses

Polícia do PI investiga sumiço de bebê após mãe se arrepender de adoção

Cleiciane Dias Flores deu à luz a bebê (foto) que seria inicialmente colocado para adoação; ela já tem três filhos - Acervo pessoal
Cleiciane Dias Flores deu à luz a bebê (foto) que seria inicialmente colocado para adoação; ela já tem três filhos Imagem: Acervo pessoal

Juliana Almirante

Colaboração para o UOL, de Salvador

09/12/2020 13h21

A Polícia Civil do Piauí investiga o desaparecimento de um bebê após uma suposta adoção ilegal. Cleiciane Dias Flores, dona de casa e moradora da cidade de Palmerais, afirmou ao UOL que se arrependeu de entregar o recém-nascido para outra pessoa e que gostaria de tê-lo de volta.

Em nota, a Polícia Civil do Piauí informou que iniciou a apuração do caso, para identificar autoria e materialidade de um eventual crime.

Cleiciane contou que o filho nasceu em 15 de outubro, no Hospital Regional Tibério Nunes, na cidade de Floriano (PI), a cerca de 240 km de Teresina. Ela afirmou que, dois dias depois do parto, entregou o recém-nascido para uma mulher que se identificou como Maria Rodrigues de Souza, que teria sido apresentada a ela por Mychelly Feitosa, vereadora eleita em Palmerais pelo Republicanos. A reportagem não conseguiu contato com Maria e com Mychelly até a publicação.

Cleiciane disse ainda que o bebê, Pietro Asaf Dias Flores, foi registrado com seu sobrenome e também com o nome Asaf que foi escolhido pela mulher que recebeu a criança.

A dona de casa relatou que, inicialmente, tinha o interesse de entregar o filho legalmente, mas, ao comentar sobre o assunto com Mychelly, a vereadora contou que tinha uma prima que gostaria de cuidar do bebê. Ela afirma que não tinha conhecimento de que a ação era ilegal.

"Eu comentei com a vereadora que queria doar, colocar no orfanato para doação (sic). Ela falou que tinha prima que queria", afirma. Cleiciane contou que acreditou, naquele momento, com seis meses de gestação, que não teria condições de criar mais um filho.

Ela disse que é mãe solo e já cuida de três filhos, de 10 anos, de 8 anos e de 4 anos. O mais novo tem problemas de coração e precisa de cuidados especiais. "Ele depende de remédio e é pequenininho. Eu fiquei com medo de não ter força de criar mais uma criança", relatou. "Eu me arrependi demais e não sabia que era um crime. Se eu soubesse, não entrava nisso", completa.

Cleciane alegou ainda ter procurado Mychelly alguns dias depois de ter entregado a criança, para comunicar que havia se arrependido, mas ela teria dito apenas que procurasse Maria. No entanto, a mãe do bebê não conseguiu localizar a mulher, que havia contado à dona de casa que morava em Brasília (DF).

"Eu procurei o Conselho Tutelar de Palmeirais e conversei com Michelly na frente deles. Eu disse que me arrependi e Michelly disse que não tinha nada a ver e que era para procurar a mulher. Depois do Conselho, fui na Delegacia de Nazária, prestei depoimento e registrei o BO [Boletim de Ocorrência]", relata.

O UOL não conseguiu contato com o delegado do caso, Thiago Silva. Conforme o comunicado da Polícia Civil, "por força de lei, as investigações são protegidas por segredo de Justiça". A polícia não deu mais detalhes sobre a apuração.

Cotidiano