PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
15 dias

Mural de R$ 400 mil de Kobra 'derrete' 4 meses após inauguração em RR

Responsável pelo parque teorizou que desgaste em obra assinada por Eduardo Kobra pode ter acontecido por calor e chuva - Reprodução/Twitter/@felipethiagoc
Responsável pelo parque teorizou que desgaste em obra assinada por Eduardo Kobra pode ter acontecido por calor e chuva Imagem: Reprodução/Twitter/@felipethiagoc

Izael Pereira

Colaboração para o UOL

22/04/2021 07h23Atualizada em 22/04/2021 19h24

Um mural assinado pelo artista Eduardo Kobra no Parque do Rio Branco, em Boa Vista (RR), está apresentando grandes sinais de desgaste apenas quatro meses depois da inauguração.

A obra, que "estrela" uma iguana gigante, foi pintada em um muro de 180 metros e inaugurada em dezembro do ano passado. Ela custou R$ 400 mil aos cofres da prefeitura, conforme extrato publicado no Diário Oficial do Município (DOM).

Em nota, a Fundação de Educação, Turismo, Esporte e Cultura (FETEC), responsável pelo parque, informou que já entrou em contato com o artista responsável pelo mural, que enviará uma equipe a Boa Vista para avaliar a obra e fazer todos os reparos necessários. Disse ainda que o desgaste pode ter ocorrido devido à exposição ao sol e muita chuva.

Além disso, a FETEC alega que, dos 180 metros de comprimento do mural, foi registrado desgaste em apenas uma cena da pintura.

O parque possui outras 34 obras de 25 artistas locais. Cada um deles recebeu R$ 6 mil pelas pinturas. Dessas, apenas duas tinham deterioração.

Questionada, a prefeitura não respondeu se elas também serão restauradas.

A construção do Parque do Rio Branco teve início em 2018, na gestão da ex-prefeita Teresa Surita (MDB).

O projeto de construção do espaço foi orçado em R$ 134,4 milhões - desses, R$ 104 milhões foram repassados pelo Ministério do Turismo e o restante contrapartida do município.

A prefeitura, no entanto, não informou se esse valor sofreu alguma alteração ao longo dos três anos de obra.

Em nota, Eduardo Kobra afirmou que um problema como o visto em Roraima, com a deterioração em tão pouco tempo, "é raríssimo", mas afirmou que sua equipe irá restaurar a parte defeituosa.

"É difícil saber à distância porque uma parte do muro de 180 metros apresentou esse problema. Independentemente do motivo, iremos restaurar e revitalizar, sem custo algum para a cidade", garantiu.

Cotidiano