PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
4 meses

Guarda municipal é baleado após atirar dentro de bar e matar 3 no Rio

PM foi acionada após o guarda atirar e matar três pessoas - Reprodução/Redes Sociais
PM foi acionada após o guarda atirar e matar três pessoas Imagem: Reprodução/Redes Sociais

Marcela Lemos

Colaboração para o UOL, no Rio de Janeiro

13/07/2021 09h23Atualizada em 13/07/2021 10h06

Um guarda municipal atirou e matou três pessoas em um bar em Vigário Geral, na zona norte do Rio de Janeiro, na noite de ontem, segundo a polícia do Rio. Durante o ataque, outras três pessoas ficaram feridas. A Polícia Militar foi acionada para o estabelecimento que fica localizado na Rua Mauro.

De acordo com a corporação, ao chegarem no local, os PMs também foram alvos de tiros do suspeito e houve confronto. O atirador só cessou os disparos após ser baleado na perna. Ele e os demais feridos foram levados para o Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha, também na zona norte. Ele está preso sob custódia.

"Os militares apreenderam com ele [o autor dos disparos] uma pistola. A viatura também foi atingida pelos disparos, porém os policiais nada sofreram. A área foi isolada para o Corpo de Bombeiros e a Delegacia de Homicídios da Capital foi acionada", comunicou a corporação.

As vítimas que morreram no confronto foram identificadas como André da Silva Ramos, Delcio Fernandes Gonçalves Silva e Anderson Pinto Lourenço. Ainda não há informações sobre o estado de saúde das pessoas que deram entrada feridas na unidade.

O atirador foi identificado como Fábio Damon Fragoso da Silva, de 46 anos, e está em quadro clínico estável. Antônio Pereira de Souza, de 62 anos, foi ferido e também está em situação estável. Já, Lucas Ferreira de Souza Alves, de 25 anos, e Wilson Lima Fraga, de 58, apresentam estado de saúde grave, informou o hospital.

RJ - Reprodução/Google - Reprodução/Google
Caso aconteceu em Vigário Geral
Imagem: Reprodução/Google

'Meus amigos foram mortos por outro amigo'

Um amigo do guarda municipal disse que todas as vítimas eram amigas e que todos se reúnem no bar com frequência. Paulo César Silva Mota contou que estava em casa no momento do ataque e que desceu após ouvir os disparos e a gritaria na rua. Segundo ele, Fábio chegou a apontar a arma para ele.

"Eu subi para jantar e escutei os disparos. Fiquei preocupado e desci achando que era um assalto. Vim descendo a rua e o Fábio apontou a arma para mim, mas falhou na hora. Consegui correr e ele baleou um menino com dois tiros na barriga", afirmou ele.

Paulo disse ainda que todos eram amigos de infância. Fábio morava com a mãe dele na região. "Tô até agora sem dormir. É uma região tranquila, todo mundo se conhece. Agora, não quero ficar mais aqui. Meus amigos foram mortos por outro amigo. Eu só estou agradecendo a Deus por estar vivo. Só matou trabalhador, pai de família".

Ele disse ainda que o atirador era uma pessoa tranquila e que havia recentemente saído com ele.

A Polícia Civil informou através de nota que "os agentes realizam diligências para esclarecer as motivações do crime".

Procurada, a Guarda Municipal confirmou que o atirador é um GM e informou que "já foi aberto processo disciplinar para apurar a conduta do agente. A corporação também vai colaborar com as investigações policiais".

A reportagem tenta localizar a defesa do suspeito e atualizará a matéria assim que obtiver resposta.

Cotidiano