PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
8 meses

Número de registros de racismo dobrou no Rio em 2021, mostra estudo

Igor Mello

Do UOL, no Rio

20/11/2021 10h22

Um levantamento do ISP-RJ (Instituto de Segurança Pública do Rio de Janeiro), órgão responsável pelas estatísticas criminais do Rio, mostra que o número de registros de ocorrência por racismo dobrou no primeiro semestre de 2021 em comparação com o mesmo período de 2019.

De acordo com o estudo, feito em função do Dia da Consciência Negra, no primeiro semestre de 2021 foram registrados 82 casos de crime de preconceito de raça ou de cor, que também inclui discriminação contra etnia, religião e procedência nacional. Isso representa um aumento de 90% em relação ao mesmo período de 2019, quando houve 43 casos.

Segundo o ISP-RJ, os dados de 2020 foram descartados por causa da pandemia de covid-19, que pode ter feito com que muitas pessoas deixassem de ir às delegacias comunicar crimes.

Na avaliação dos pesquisadores, o aumento pode ter relação com uma maior conscientização da população em relação à gravidade dos crimes relacionados ao racismo. Os registros de injúria racial também cresceram 17%.

A diretora-presidente do ISP, Marcela Ortiz, destaca a necessidade de que a população formalize as denúncias nas delegacias para que haja estatísticas confiáveis. Elas são utilizadas na formulação de políticas públicas.

"É muito importante que se diga que a denúncia desses crimes é fundamental não só para garantir a punição dos autores, mas também para que o poder público e a sociedade tenham a real noção do racismo no nosso estado e que políticas públicas possam ser elaboradas para nos ajudar a enfrentar o racismo. O aumento dos crimes raciais em 2021 pode representar o crescimento da consciência das vítimas de que elas podem procurar uma delegacia, que o preconceito é crime", afirma.

Em 2018, a Polícia Civil criou a primeira unidade da Decradi (Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância), especializada na investigação de crimes de racismo, LGBTfobia e intolerância religiosa.

Cotidiano