Guarujá: Vizinhos ouviram tortura e pedido de ajuda de vítima, diz parente

Moradores da favela Vila Baiana, no bairro Vila Zilda, no Guarujá, litoral de São Paulo, disseram que ouviram gritos de socorro do vendedor ambulante Felipe Vieira Nunes, 30. Ele teria sido torturado e assassinado por policiais da Rota (Rondas Ostensivas Tobias Aguiar) na sexta-feira (28).

Procurada, a Secretaria da Segurança Pública disse que as mortes resultantes de ações policiais estão sendo investigadas. Em coletiva, o secretário Guilherme Derrite negou que houve tortura.

O que aconteceu

O vendedor ambulante Felipe Vieira Nunes, 30, saiu de casa para comprar cigarro e comida, segundo um familiar que prefere não se identificar por segurança. Moradores da região disseram ao parente que Felipe foi abordado por policiais da Rota na esquina da casa em que vivia por volta das 21h da sexta.

Os caras pegaram ele, arrastaram ele para dentro de um barraco, foi onde aconteceu a tortura. Torturaram ele, ficaram com ele lá, a população toda escutou ele gritando, pedindo ajuda, pedindo socorro.
Familiar de Felipe Viera Nunes, morto pela Rota no Guarujá

O familiar de Felipe disse também que uma mulher tentou se aproximar, mas a polícia teria impedido que moradores prestassem qualquer tipo de ajuda. "Os moradores escutaram a polícia gritando 'solta a arma, solta a arma' e ele respondendo: 'eu não tenho arma, senhor'."

"Ficaram esperando ele morrer." De acordo com o morador, Felipe foi arrastado até a porta da casa em que teria ocorrido a tortura e era possível ver um "rastro de sangue" pelo caminho.

Felipe Vieira Nunes teve corpo queimado com cigarro, segundo relato de familiares
Felipe Vieira Nunes teve corpo queimado com cigarro, segundo relato de familiares Imagem: Arquivo pessoal

O parente de Felipe diz que o ambulante foi queimado com cigarro. Ao UOL, ele enviou fotos que seriam das queimaduras sofridas pelo vendedor. O celular e a chave do carro do vendedor teriam sido levados pela polícia.

Felipe é uma das vítimas da ação policial que busca identificar os suspeitos pela morte do soldado Patrick Bastos Reis, de acordo com o historiador Douglas Belchior, cofundador da Uneafro e que acompanha a situação no local. O governo e a polícia não divulgaram os nomes dos mortos.

Continua após a publicidade

A Secretaria de Segurança Pública afirmou que "todas as mortes resultantes de ações policiais estão sendo rigorosamente investigadas pela Divisão Especializada de Investigações Criminais de Santos e pela Polícia Militar por meio de Inquérito Policial Militar." Em coletiva nesta manhã, o secretário Guilherme Derrite não citou nomes, mas negou que houve tortura.

A pasta disse ainda que a operação continuará por ao menos 30 dias. "Neste ano, cinco policiais da reserva e um em serviço morreram na Baixada Santista", informou a secretaria.

Essa versão de indivíduo que foi torturado não passa de narrativa para nós. Não chegou oficialmente nenhuma informação, indício, muito menos materialidade.
Guilherme Derrite, secretário da Segurança Pública

Quem é o vendedor ambulante

Felipe Vieira Nunes cresceu na Vila Carmosina, zona leste de São Paulo. Segundo familiares, ele se mudou para o Guarujá após perder o tio avô que o criou.

O vendedor não tinha uma boa relação com o pai que, de acordo com parentes, era usuário de drogas. "Ele tinha muita mágoa", afirmou um membro da família. "Ele cresceu brincando na rua, não tinha um relacionamento com os pais."

Continua após a publicidade

A família disse que Felipe teve passagens pelo sistema prisional — após ter deixado a prisão, ele tentava "reconstruir" a vida. "Ele fez curso de cabeleireiro, mas um espelho estourou no braço dele. Ele perdeu o movimento de três dedos e ficou impossibilitado de trabalhar", narrou um parente.

Ele juntava dinheiro para comprar um carrinho para vender açaí. "Ele estava feliz em voltar a trabalhar."

Morte de PM e retaliação violenta

O soldado Patrick Bastos Reis foi assassinado durante patrulhamento na comunidade Vila Zilda na noite da quinta-feira (27). Ele trabalhava com colegas do 1º Batalhão de Choque quando, segundo a SSP, o grupo foi "atacado por criminosos armados que efetuaram disparos de arma de fogo".

Além de Patrick, um cabo também foi atingido por um tiro e levado a uma UPA da região. Ele não corre risco de morte.

O governador Tarcísio de Freitas (Republicanos) disse que oito pessoas morreram no fim de semana durante operação para identificar suspeitos da morte de Reis e que não houve excesso. A Ouvidoria da Polícia de SP, entretanto, contabiliza 10 pessoas assassinadas.

Continua após a publicidade

Dez pessoas foram presas. Erickson David da Silva, suspeito de matar o soldado, gravou um vídeo antes de se entregar, pedindo para que o governo de São Paulo pare com a "matança" de supostos inocentes no Guarujá.

Em relação às oito mortes em confronto registradas durante a ação, o governador ressaltou que as forças de segurança atuam para prender os criminosos e o enfrentamento é resultado da ação dos bandidos e não dos policiais.
Nota divulgada pelo governo estadual

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora