Conteúdo publicado há 8 meses

Privatizada, linha 9-esmeralda teve operação limitada por mais de 24 h

Os usuários da linha-9 esmeralda da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), operada pela ViaMobilidade em São Paulo, ficaram toda a manhã e boa parte da tarde desta quarta-feira (4) sem poder utilizar a totalidade da linha.

Antes, a linha funcionou apenas da estação Vila Olímpia à Cidade Universitária, em sentido único, e operou com auxílio de ônibus PAESE (Plano de Apoio entre Empresas em Situação de Emergência). Às 17h22, o serviço foi normalizado, informou a empresa.

O que aconteceu

A falha ocorreu ontem à tarde, durante a greve de funcionário do Metrô, CPTM e Sabesp. O trajeto é substituído pelo uso de ônibus através do sistema Paese (Plano de Apoio entre Empresas em Situação de Emergência).

Em entrevista à TV Globo, Márcio Hannas, presidente da divisão de mobilidade da CCR, afirmou que a falha pode ter ocorrido por conta de objetos atirados nos trilhos. A empresa apura se foi vandalismo.

O metrô e a CPTM (Companhia Paulista de trens Metropolitanos) amanheceram funcionando normalmente depois da greve que acabou na noite de ontem e durou 24 horas. A Sabesp também participou da paralisação. Os funcionários são contra o projeto de privatização do governador Tarcísio de Freitas (Republicanos).

Caso é investigado

Durante a tarde de ontem, a linha 9-esmeralda operou de forma parcial devido uma falha no sistema elétrico. A linha, que é operada pela empresa Via Mobilidade, é a que apresentou o maior número de falhas este ano entre as linhas privatizadas.

A circulação ficou paralisada entre as estações Morumbi e Pinheiros. Segundo a concessionária Via Mobilidade, os problemas na linha começaram por volta das 14h.

O motivo da paralisação foi uma pane elétrica que causou um curto-circuito entre as estações Cidade Jardim e Vila Olímpia. Vídeos que circulam nas redes sociais mostram que chegou a sair fumaça de uma composição. Ninguém ficou ferido e os passageiros foram retirados do trem.

Continua após a publicidade

A paralisação da linha é investigada pela Polícia Civil, que apura se o problema tem relação com sabotagem. "Foi registrado um BO, ouvimos as pessoas no plantão policial para entender a situação, solicitamos perícia, tanto para a via quanto para os trens, para verificar se realmente houve um ato de sabotagem ou algum outro ato de vandalismo", disse hoje o delegado Pablo Baccin, em entrevista à TV Globo.

Por meio de nota, o governo também informou vai averiguar o problema. "Por meio Comissão de Monitoramento de Concessões e Permissões (CMCP), vai instaurar um processo administrativo para apurar a falha no sistema de energia da Linha 9-Esmeralda ocorrida nesta terça-feira (3). Qualquer inconformidade verificada é apurada e, se confirmada, as sanções e penalidades previstas em contrato são aplicadas.

Problema ocorreu em meio a elogios sobre privatizações

Na manhã de ontem, ainda durante a greve, o governador de São Paulo Tarcísio de Freitas (Republicanos) elogiou as concessões ao defender os estudos para privatizações de outras linhas. A fala ocorreu durante pronunciamento sobre a greve dos metroviários.

Segundo o governador, serviços públicos precisam ter "regularidade e disponibilidade".


E quais são as que estão em funcionamento hoje? As que foram transferidas para a iniciativa privada. Essas linhas não estão deixando o cidadão na mão.
Tarcísio de Freitas, governador de SP

Continua após a publicidade

As linhas de trem operadas pela Via Mobilidade chegaram a apresentar até o triplo de falhas que as administradas pela CPTM.

Entre as linhas privatizadas, a linha 9-esmeralda foi a que apresentou mais falhas este ano, somando 23 ocorrências.

Em agosto, a Via Mobilidade assinou um Termo de Ajustamento de Conduta em que deve pagar R$ 150 milhões em indenização por danos materiais e morais coletivos por falhas nas Linhas 8 e 9.

A concessionária assumiu a gestão das duas linhas de trem em janeiro de 2022.

Deixe seu comentário

Só para assinantes