Conteúdo publicado há 4 meses

Análise: Ataque a escola é o tipo de crime que só vai aumentar com o tempo

O ataque em uma escola de São Paulo que deixou uma pessoa morta e ao menos outras duas feridas é o tipo de crime que só tende a aumentar ao longo do tempo,avalia o professor da FGV (Fundação Getúlio Vargas) especializado em Segurança Pública Rafael Alcadipani, durante participação no UOL News da manhã desta segunda-feira (23).

A gente precisa ter uma integração maior entre Segurança Pública e as escolas. O último aspecto que precisa ser destacado aqui é que como a pessoa que vai fazer isso dá sinais, é muito importante que haja um programa em que a escola consiga ter interlocução para que, na hora que haja alguma suspeita, comunique imediatamente à polícia.

A polícia debela, praticamente, no Brasil todo, ações como essa que estão acontecendo. Esse é o tipo de crime que não vai diminuir, só vai aumentar ao longo do tempo.

Para ele, é "urgente" investir para que problemas desse tipo não ocorram mais.

É urgente investir na nossa polícia de investigação, na Polícia Civil, na contratação de mais policiais e nas melhorias tecnológicas. Hoje, a polícia não consegue dar conta de coisas que ela tem para fazer.

A investigação criminal é fundamental para esse mundo moderno. É a investigação que vai prevenir que esse tipo de coisa aconteça. Você vai para as regiões da Grande São Paulo, para o interior e capital, falta policial, investigador e delegado. Precisa cuidar muito das nossas polícias, precisa ter uma melhoria nas condições de trabalho do policial militar.

Não vai ser só conversa e papo que vai resolver esse problema, a polícia tem que monitorar, essas pessoas precisam ser monitoradas.

Alcadipani também considera que instalar detectores de metal nas escolas seria "dinheiro jogado no lixo".

É impraticável [o detector]. Como você coloca o detector de metal na porta de tanta escola para tanta gente? Esse monitoramento praticamente é impossível de ser feito. A gente sabe que depois de passar um tempo, vão ignorar. Vai jogar dinheiro no lixo se for colocar detector de metal.

Continua após a publicidade

Os principais agentes para entenderem e lidarem com esse problema são o professor conhecer seu aluno, o pai e mãe saber o que se passa com seu filho e esses jovens conseguindo ter condição mental no mundo de hoje.

Ataques contra escolas

Esse é o 11º ataque em escolas do Brasil em 2023. Pelo menos cinco deles deixaram pessoas mortas.

Na capital paulista, a professora de uma escola estadual foi morta por um estudante de 13 anos no bairro da Vila Sônia, zona oeste da capital. Em Poços de Caldas (MG), um ex-aluno matou um adolescente a facadas. Em Blumenau (SC), o ataque com uma machadinha ocorreu em uma creche e matou quatro crianças entre 5 e 7 anos. Já em Cambé (PR), dois adolescentes morreram.

Em abril, o governo federal anunciou um investimento de R$ 3 bilhões para combater os ataques em escolas. A ideia é que o dinheiro seja revertido em projetos de incentivo à paz nas escolas, de desenvolvimento psicológico, além da infraestrutura.

O UOL News vai ao ar de segunda a sexta-feira em duas edições: às 10h com apresentação de Fabíola Cidral e às 17h com Diego Sarza. O programa é sempre ao vivo.

Continua após a publicidade

Quando: de segunda a sexta, às 10h e 17h.

Onde assistir: Ao vivo na home UOL, UOL no YouTube e Facebook do UOL.

Veja a íntegra do programa:

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora