Conteúdo publicado há 18 dias

Jovem atacada com soda cáustica respira sem aparelhos e já consegue falar

A jovem Isabelly Ferreira Moro, 23, que foi atacada com soda cáustica no rosto em Jacarezinho, na região norte do Paraná, já respira sem a ajuda de aparelhos e consegue se comunicar com familiares.

O que aconteceu

Isabelly Ferreira não está mais entubada, mas segue na UTI (Unidade de Tratamento Intensivo). Ela segue internada no Hospital Universitário de Londrina. As informações foram confirmadas ao UOL pela mãe da vítima, Regiane Ferreira.

Ela já consegue conversar com a família. "Está muito bem, conseguiu tomar banho hoje, mas está na UTI por causa dos ferimentos dentro da boca", explicou Regiane.

Suspeita de jogar soda cáustica em jovem foi presa

A suposta autora do crime foi presa na manhã desta sexta-feira (24). Ela alegou ciúmes.

Suspeita confessou o ataque. Ela confirmou a autoria ao ser questionada pelos policiais, segundo o relatório do 2º BPM.

Mulher disse aos policiais que substância jogada na vítima era mistura de soda cáustica com água. Ela apontou aos policiais onde comprou a substância - o hidróxido de sódio é uma base e não um ácido. Anteriormente, a polícia havia informado que se tratava de um ataque com ácido, mas após a prisão, a informação foi corrigida pela Polícia Civil.

Ataque foi causado por ciúmes, afirmou a suspeita. Segundo a polícia, a mulher contou que atacou Isabelly porque ela teria se relacionado com um ex-namorado dela.

Continua após a publicidade

Disse que agiu em razão de ciúme, e que acidentalmente teria manipulado o aparelho celular do seu convivente [que anteriormente teria se envolvido com a Isabelly]. Obviamente o celular estava na casa da mãe dele, porque ele está recolhido ao cárcere, e ali identificou algumas mensagens, em tese, emitidas por Isabelly, que faziam comentários depreciativos com relação a ela e sua beleza.
Delegado Tristão Antônio

Agressora comprou material no mercado há dez dias. Ela contou à polícia que agiu sozinha, mas a Polícia Civil ainda investiga se houve participação de outras pessoas.

Ela também estudou rotina da vítima. "Quando ela [vítima] saiu da academia, a suspeita arremessou [a substância] e fugiu. Durante a fuga, ela se desfez das roupas, que foram apreendidas hoje pela manhã durante dirigências da Polícia Civil. Foi apreendida a peruca loira, óculos, um boné, uma luva que foi utilizada para sua proteção durante a ação delituosa, além de uma camiseta vermelha".

Como a polícia localizou a suspeita

Diligências foram feitas com ajuda de imagens de câmeras de segurança. "Foram ouvidas cerca de 15 pessoas, na data de ontem, aqui na delegacia, entre amigos e familiares da vítima, a respeito de quem poderia ter praticado esse crime", explicou a delegada.

Na tarde de quinta-feira (23), familiares da suspeita prestaram queixa sobre o desaparecimento dela. "Relataram que ela tinha desaparecido, não retornava para casa desde o dia dos fatos, que não era comum, porque ela era muito zelosa com os filhos", acrescentou.

Continua após a publicidade

Delegado explicou que buscas tiveram início na casa da suspeita. No local, encontraram as roupas e a peruca usada pela mulher no dia do crime. "A avó [da suspeita] foi questionada e disse que tinha duas perucas em casa. Mas notou que uma havia sido levada pela neta, justamente na manhã que antecedeu o crime".

Mulher estava escondida em matagal desde o dia do crime. A Polícia Militar disse que ela foi encontrada após pedir socorro no pátio de um hotel do município e apresentou uma história incoerente, contando aos militares que era perseguida por homens.

O caso

Siga UOL Notícias no

Imagens de câmera de segurança mostram ação em rua movimentada. A vítima —identificada pelo nome de Isabelly Ferreira — foi socorrida por outras pessoas que passavam pelo local e levada a um pronto-socorro.

Agentes da Polícia Militar foram acionados para comparecer no hospital. No local, os militares conversaram apenas com enfermeiros, já que a vítima estava impossibilitada de relatar o que aconteceu.

Continua após a publicidade

Militares também estiveram na região próxima ao ataque. Eles colheram imagens da câmera de segurança, recolheram copo e sacola, supostamente utilizados na ação, e encaminharam para a delegacia da Polícia Civil.

Pessoa estava disfarçado com peruca loira. A delegada Caroline Fernandes, responsável pelas investigações, disse que a pessoa que aparece nas imagens jogando a substância no rosto de Isabelly usava roupa preta e peruca loira.

Na data de ontem, por volta das 13h10, na Alameda Padre Magno, no centro da cidade, uma pessoa disfarçada, usando uma peruca loira, com roupa preta, foi encontro da vítima, Isabelly Ferreira, e arremessou contra a sua face, a sua boca, alguma substância corrosiva, que lhe causou ferimento grave.
Caroline Fernandes, delegada

A Polícia Civil imediatamente iniciou diligências, com localização de câmeras, câmeras da cidade, além das imediações. Essa pessoa suspeita esteve em vários locais da cidade, até chegar ali e jogar a substância corrosiva contra Isabelly. Trabalhamos agora com denúncias. A Polícia Civil trabalha insistentemente. Já ouvimos 15 pessoas a respeito dessa tentativa de homicídio. Para quem tiver alguma informação, a polícia agradece e a gente garante o sigilo.
Caroline Fernandes, delegada

Deixe seu comentário

Só para assinantes