PUBLICIDADE
Topo

Fora da disputa, Marta apoia Covas na eleição para a Prefeitura de SP

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), e a ex-prefeita Marta Suplicy (Solidariedade) - 9.ago.2020 - Divulgação/Campanha Bruno Covas
O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), e a ex-prefeita Marta Suplicy (Solidariedade) Imagem: 9.ago.2020 - Divulgação/Campanha Bruno Covas

Nathan Lopes

Do UOL, em São Paulo

10/09/2020 09h14Atualizada em 10/09/2020 10h34

A ex-senadora Marta Suplicy (Solidariedade) anunciou que irá apoiar a reeleição do prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB). Eles tiveram um encontro na noite de ontem, horas após o partido de Marta e representantes dela terem participado de uma reunião em que o Solidariedade decidiu procurar Márcio França, pré-candidato do PSB, para apoiá-lo na disputa.

Marta, que foi prefeita da capital paulista entre 2001 e 2004, era cotada para ser vice do tucano, mas havia resistências no PSDB em torno da ex-senadora, que esteve por 33 anos no PT. Os dois partidos polarizaram a política brasileira nos últimos anos.

Em nota, a campanha do tucano disse que, "no campo democrático, Marta Suplicy se une aos que apoiam a coligação do prefeito que, com ou sem partido querem o melhor para São Paulo".

Segundo o comunicado, eles "deliberaram ações conjuntas para São Paulo". Até o momento, Marta não se pronunciou oficialmente sobre os movimentos a respeito da eleição na capital.

Sem frente ampla

Opositora do governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), a ex-senadora defendia a criação de uma frente ampla desde já.

"Em São Paulo, nós já deveríamos começar esse movimento de frente ampla. [No sentido do] conceito de que nós temos forças políticas que são contra o que está aí, esse desmonte autoritário que nós estamos vendo, e que aponte já em direção a 2022", disse Marta, no final do mês passado, em conversa transmitida ao vivo em suas redes sociais com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), um dos ícones dos tucanos.

Longe de França

Marta também era sondada como uma possível vice de França, mas o pré-candidato do PSB fez acenos a Bolsonaro, o que afastou a ex-senadora. Ela, inclusive, fez menções ao fato, com tom de crítica, na conversa com o ex-presidente, no que foi acompanhada pelo tucano: "acho errado".

Em conversa com o UOL ontem, o presidente municipal do Solidariedade, Pedro Nepomuceno, disse que "Marta decidiu não ser candidata a prefeita". "E o PSDB já decidiu que ela não será vice na chapa do Bruno Covas. Assim, "diante de todo o esgotamento de conversa", o Solidariedade decidiu "procurar o Márcio França". Pela decisão, Nepomuceno entregou seu cargo de subprefeito de Santana-Tucuruvi, para se desligar da gestão Covas.

Segundo a assessoria da ex-senadora, após a decisão do Solidariedade de apoiar França, Marta está rompida com o Solidariedade.