PUBLICIDADE
Topo

Datafolha: Covas esperava subida; rivais preveem derretimento de Russomanno

Bruno Covas, candidato à reeleição na cidade de São Paulo - Rovena Rosa / Agência Brasil
Bruno Covas, candidato à reeleição na cidade de São Paulo Imagem: Rovena Rosa / Agência Brasil

Felipe Pereira

Do UOL, em São Paulo

22/10/2020 20h27Atualizada em 22/10/2020 21h40

A pesquisa Datafolha para prefeito de São Paulo divulgada hoje mostrou o candidato à reeleição, Bruno Covas (PSDB), na liderança numérica, embora empatado tecnicamente com Celso Russomanno (Republicanos). A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos.

A campanha do prefeito esperava o movimento porque teve acesso a outras pesquisas que apontavam a mesma tendência. Ele aparece com 23%, enquanto Russomanno marcou 20%.

Os integrantes da campanha atribuem o resultado a Covas fazer uma campanha limpa, não partir para agressões e pela exposição das realizações do governo. Dono do maior tempo de TV, o candidato ocupou este primeiro um terço de propaganda eleitoral mostrando sua biografia e obras. O planejamento é intensificar a apresentação das realizações nos próximos dias.

Celso Russomanno caiu sete pontos percentuais desde o levantamento anterior, quando chegou a 27%, ou seja, perdeu 1 a cada 3 votos mencionados.

Mesmo com a queda acentuada, a equipe tenta transmitir otimismo. Integrantes da campanha citaram a pesquisa da XP/Ipespe de hoje, na qual o candidato do Republicanos aparece na frente, e ressaltaram que em ambas ele está no segundo turno. Sobre ser o nome com mais rejeição, 38%, a avaliação é que isso teria conserto num eventual segundo turno.

Rivais veem derretimento

Os adversários de Russomanno enxergam de maneira diferente e dizem acreditar que haverá um "derretimento" do candidato. A campanha de Márcio França (PSB) espera herdar considerável parte destes votos. Justificou que, entre os mais bem colocados, ele é o menos conhecido e que tem menor rejeição.

A equipe de França informou que a pesquisa Datafolha confirma uma tendência de subida e considera que este movimento resultará em uma vaga no segundo turno. É esperado que Jilmar Tatto (PT) cresça e tire votos de Guilherme Boulos (PSOL).

A equipe de Boulos enviou uma nota afirmando que a candidatura se mostra viável. "A pesquisa Datafolha mostra que estamos cada vez mais perto do segundo turno e que somos a única alternativa viável para derrotar os representantes do BolsoDoria, Russomanno e Covas."

A campanha de Tatto preferiu desconsiderar os números do Datafolha por entender que eles não refletem a realidade. A equipe informou que percebe uma tendência clara de crescimento pela recepção que o candidato do PT tem nas ruas e está certa de que está acima dos 4% de intenção de votos.

Eleições 2020 em SP: políticos fazem campanha na capital