PUBLICIDADE
Topo

Candidato a prefeito escapa de tiros em SC e fala em abandonar candidatura

Altair dos Santos (DEM), o Altair da Mercearia, desceu do carro para retirar tronco da estrada quando foram efetuados disparos; candidato escapou dos tiros, que atingiram o veículo - Redes sociais/Reprodução
Altair dos Santos (DEM), o Altair da Mercearia, desceu do carro para retirar tronco da estrada quando foram efetuados disparos; candidato escapou dos tiros, que atingiram o veículo Imagem: Redes sociais/Reprodução

Giorgio Guedin

Colaboração para UOL, em Blumenau (SC)

28/10/2020 20h46

Altair dos Santos (DEM), candidato a prefeito de Agrolândia (SC), cidade com um pouco mais de 11 mil habitantes localizada a 200 km de Florianópolis, informou ter sofrido uma tentativa de homicídio na noite de ontem, quando entrava no sítio dele, na zona rural do município.

Quatro tiros atingiram o veículo do candidato, de 50 anos, que saiu ileso. A Polícia Civil investiga o caso, mas não há informações sobre suspeitos.

Em contato com o UOL, ainda abalado, Altair contou que foi à propriedade para alimentar os animais. Ele mora na região central da cidade, a 5 km do sítio.

Quando chegou ao local, por volta das 19h30, um pedaço de tronco estava no meio da estrada, bloqueando o acesso. Então, saiu do veículo, quando foram efetuados os quatro disparos. "Só deu tempo de abaixar na hora. Eu não sabia de onde vinham", afirmou.

Conhecido na cidade como Altair da Mercearia, o candidato comenta que fazia o trajeto diariamente, sempre após cumprir agenda política. "A gente está na campanha, trabalhando, fazendo o papel da gente. De casa em casa. Não precisava partir para a ignorância, Isso tira a democracia", desabafou.

Sobre possíveis suspeitos, Altair diz que não ter ideia de quem partiu o atentado, mas acredita se tratar uma de tentativa de intimidação. "A gente não tem contrariedade com ninguém. Eu não sei porque fizeram isso. A gente acha que foi alguma repressão", especula.

Altair concorre pela primeira vez em uma eleição em Agrolândia, em chapa pura, com outros cinco candidatos, mas já atuava como presidente do DEM no município. Questionado se vai prosseguir com a candidatura, ele alega não ter condições para seguir, mas vai esperar uma reunião com o partido, que será realizada amanhã.

"Eu não tenho espírito para seguir. Mas pelo partido, pelos vereadores, vou ter que continuar, sabe? Mas é difícil", comentou o comerciante, que declarou ainda que vai mudar a rotina e contratar segurança particular para atuar na campanha caso continue na disputa.

O candidato prestou depoimento na tarde de hoje na Polícia Civil de Rio do Sul, cidade vizinha. Mais cedo foi realizada a perícia no local do crime e no veículo. O delegado Daniel Zucon, responsável pelo caso, disse à reportagem que ainda não há nenhum suspeito ou motivação.

"Como o local é muito ermo, de mata, por enquanto, as informações que a gente tem são as que foram repassadas pela vítima", afirmou. A autoridade policial pede a colaboração da comunidade da região para denúncia pelo número 181, da Polícia Civil de Santa Catarina.