PUBLICIDADE
Topo

Após 'horário eleitoral JB', Bolsonaro minimiza resultado fraco de aliados

Presidente indicou que é a favor de alterações no sistema eleitoral brasileiro - Eduardo Valente/iShoot/Estadão Conteúdo
Presidente indicou que é a favor de alterações no sistema eleitoral brasileiro Imagem: Eduardo Valente/iShoot/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

15/11/2020 23h49Atualizada em 16/11/2020 00h56

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) se manifestou hoje à noite logo após as eleições municipais começarem a se definir em várias capitais pelo Brasil. Ignorando o fato de que vários candidatos que apoiou tiveram maus resultados nas urnas, o presidente afirmou que a esquerda sofreu uma "histórica derrota".

Em post no Facebook, Bolsonaro mais uma vez alfinetou seu principal adversário político na atualidade, João Doria (PSDB), que sequer participou do pleito, e minimizou o fato de seu apoio declarado a alguns candidatos na eleição deste ano não surtir efeito. O presidente fez lives diárias pelo Facebook durante toda a semana, as quais ele mesmo apelidou de "horário eleitoral gratuito JB".

"Há 4 anos Geraldo Alkmin (sic) elegeu João Dória (sic) prefeito de São Paulo no primeiro turno. Dois anos depois Alckmin obteve apenas 4,7% dos votos na disputa presidencial. Minha ajuda a alguns poucos candidatos a prefeito resumiu-se a 4 lives num total de 3 horas", escreveu o presidente, que hoje chegou a apagar um post que publicou ontem com números de candidatos que apoiava.

Na mesma publicação, o presidente afirmou que o desempenho dos partidos de esquerda pode ser visto como "uma histórica derrota nessas eleições, numa clara sinalização de que a onda conservadora chegou em 2018 para ficar".

Entre os principais nomes, que renderam até uma publicação com os números dos indicados pelo presidente, apagada depois, apenas Capitão Wagner (Pros), em Fortaleza, teve um bom desempenho no primeiro turno concorrendo à prefeitura local. O candidato teve 33,32% dos votos e avançou para o segundo turno contra Sarto Nogueira (PDT), que teve 35,72%.

Em Manaus, Recife e Belo Horizonte, os candidatos apoiados por Bolsonaro não avançaram ao segundo turno. Em São Paulo, Celso Russomano (Republicanos) foi a maior decepção. Depois de começar liderando as primeiras pesquisas eleitorais, o candidato ficou em quarto com 10,5% na última parcial de apuração, com mais de 99% das urnas apuradas.

No Rio de Janeiro, o atual prefeito Marcelo Crivella (Republicanos) avançou ao segundo turno, mas com percentual de votos distante do primeiro colocado Eduardo Paes (DEM), com mais de 15% separando os dois candidatos que vão ao segundo turno.

"Sistema eleitoral aperfeiçoado"

No post publicado nesta noite, Jair Bolsonaro disse ainda que pretende trabalhar para fazer alterações no sistema eleitoral até as próximas eleições presidenciais, em 2022, embora mudanças na lei não sejam responsabilidade do presidente.

"Para 2022 a certeza de que, nas urnas, consolidaremos nossa democracia com um sistema eleitoral aperfeiçoado", escreveu.

A afirmação faz coro com publicações de hoje de aliados de Bolsonaro e até de um dos filhos parlamentares do presidente, que veem falhas no sistema eleitoral brasileiro, baseado em urnas eletrônicas. Durante o dia, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) repercutiu de forma negativa uma tentativa de ataque hacker sofrida pelo sistema do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Luís Roberto Barroso, presidente do TSE, disse que a tentativa de ataque foi neutralizada e não teve como alvo o sistema de apuração e totalização dos votos, que, portanto, não foi afetado.

Mais tarde, o deputado e demais bolsonaristas questionaram a demora na apuração dos votos, principalmente em São Paulo, que chegou a ficar paralisada por horas com menos de 1% das urnas apuradas segundo o TSE. Barroso explicou que o problema se deu por causa de uma pane técnica no sistema de totalização e divulgação dos resultados.