PUBLICIDADE
Topo

Manuela D'Ávila e Sebastião Melo disputam 2° turno em Porto Alegre

Manuela D"Ávila (PCdoB) e Sebastião Melo (MDB) concorrem à prefeitura de Porto Alegre - André Lisbôa/Agência ALRS/Divulgação/Danilo Christidis/Divulgação/Arte-UOL
Manuela D'Ávila (PCdoB) e Sebastião Melo (MDB) concorrem à prefeitura de Porto Alegre Imagem: André Lisbôa/Agência ALRS/Divulgação/Danilo Christidis/Divulgação/Arte-UOL

Hygino Vasconcellos

Colaboração para o UOL, em Porto Alegre

15/11/2020 22h49Atualizada em 16/11/2020 09h02

Manuela D'Ávila (PCdoB), 39, e Sebastião Melo (MDB), 62, vão disputar o segundo turno para a Prefeitura de Porto Alegre. Com 29% dos votos, é a terceira vez que Manuela concorre ao Executivo municipal. Melo, com 31%, tenta o cargo pela segunda vez.

Em sua campanha, Manuela fez duras críticas à gestão de Nelson Marchezan Júnior (PSDB), o atual prefeito. Formada em jornalismo, a candidata tem um longo percurso na política: foi vereadora, deputada estadual, e deputada federal por dois mandatos. Ela disputou a Prefeitura de Porto Alegre outras duas vezes, em 2008 e em 2012. Em 2018, concorreu à vice-presidência da República ao lado de Fernando Haddad (PT).

Resultado dessa aproximação com o PT, a comunista fechou uma coligação para concorrer à prefeitura com o partido que, pela primeira vez na história, não ficou na cabeça de chapa. A aliança com o PT também colocou Manuela na mira dos adversários. Em um dos debates, ela chegou a ser chamada de traidora, de "sonsa", e ouviu que teria de "estudar mais".

Melo, por sua vez, foi vereador em três mandatos seguidos: 2000, 2004 e 2008. Depois de sair da Câmara, tornou-se vice-prefeito em uma chapa com José Fortunati (PDT na época) como prefeito. Após quatro anos, tentou a prefeitura pela primeira vez. Chegou a ir para o segundo turno, mas foi derrotado por Marchezan. Em 2018, foi eleito deputado estadual.

Há quatro dias da votação deste ano, Melo passou a contar com o apoio de outro partido, o PTB. José Fortunati, que concorria pela sigla, desistiu da candidatura após a Justiça Eleitoral impugnar a participação de seu vice, por ter se filiado fora do prazo legal. Até então, Melo e Fortunati estavam tecnicamente empatados no segundo lugar, ao lado de Marchezan, conforme pesquisa do IBOPE realizada no final de outubro.

O candidato eleito assumirá em 1º de janeiro o governo de uma cidade com mais de 1,4 milhão de pessoas. Ele vai se deparar com uma das maiores tarifas de ônibus entre as capitais (R$ 4,55) e com obras da Copa do Mundo de 2014 ainda inacabadas.