PUBLICIDADE
Topo

Transexuais, Thammy Miranda e Erika Hilton são eleitos vereadores em SP

Montagem de fotos com Erika Hilton e Thammy Miranda - Reprodução/Instagram/hilton_erika - Reprodução/Instagram @thammymiranda
Montagem de fotos com Erika Hilton e Thammy Miranda Imagem: Reprodução/Instagram/hilton_erika - Reprodução/Instagram @thammymiranda

Do UOL, em São Paulo

16/11/2020 09h32

Dois transexuais estão entre os dez vereadores mais votados da cidade de São Paulo nas eleições realizadas ontem. Com 99,92% das urnas apuradas, Erika Hilton (PSOL) tinha 50.477 votos e Thammy Miranda (PL) tinha 43.297 votos.

A Câmara Municipal de São Paulo nunca teve um vereador ou uma vereadora transexual.

Nas redes sociais, Erika comemorou a eleição. "Vencemos! Com 99% das urnas apuradas já é possível dizer: Mulher preta e trans eleita a vereadora mais votada da cidade. Feminista, antirracista, LGBT e do PSOL! A primeira da história! Com mais de 50 mil votos. Obrigada", escreveu.

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo no fim do ano passado, Erika, codeputada (Bancada Ativista-PSOL/SP), disse que sua história é marcada pela exclusão social e por vários tipos de violência, como a da maioria das mulheres transexuais e das travestis brasileiras.

"Venho de uma trajetória repleta de ódio e de negações. Quando chego neste espaço, já é algum tipo de ascensão", explicou, referindo-se à rotina na Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo).

'Agora começa um novo tempo', diz Thammy

Emocionado, Thammy, filho da cantora Gretchen, também celebrou a conquista em sua conta no Instagram. Ele disse que seu mandato será colaborativo.

"Agora começa um novo tempo, um novo ciclo na minha vida e eu vou mostrar que sou gente que cuida de gente (...) Somos mais de 43 mil pessoas agora que querem fazer o bem para a cidade de São Paulo", declarou, em vídeo.

A sétima mais votada na disputa para vereador em São Paulo é a candidatura coletiva da Bancada Feminista (PSOL), que tem 46.242 votos e inclui a travesti negra e soropositiva Carolina Iara.

Já em Belo Horizonte, capital de Minas Gerais, a campeã de votos é a professora transexual Duda Salabert (PDT), com 37.613, mais de 8 mil de vantagem sobre o segundo colocado, Nikolas Ferreira (PRTB), com 29.388.

Em Aracaju, capital de Sergipe, Linda Brasil (PSOL) foi a mais votada (5.773) e será a primeira transexual na Câmara Municipal da cidade.

Suplicy e Milton Leite são vereadores mais votados de SP

Com 167.427 votos — ou 3,28% dos válidos — Eduardo Suplicy,79, (PT), reelegeu-se como o vereador mais votado na capital paulista. Assim, o petista repete o feito de 2016, quando também ficou à frente dos adversários em volume, mas com número superior aos de hoje: 301.446 votos à época.

Em segundo lugar na lista, aparece Milton Leite, 64, (DEM), reeleito com 132.512 (2,59% dos válidos). É a sexta vez seguida que o vereador se reelege, e a segunda em que fica na vice-liderança em número total de votos: em 2016, ficou atrás apenas de Suplicy.

Em terceiro lugar, Delgado Palumbo (MDB) ocupará pela primeira vez uma vaga na Câmara Municipal da capital paulista. Aos 46 anos, o policial civil formado em Direito obteve 118.309 votos (2,31% dos válidos).

* Com informações da Ansa