PUBLICIDADE
Topo

Só sete capitais terão prefeitos com maioria na Câmara, cinco no Nordeste

José Sarto (PDT) durante votação no segundo turno em Fortaleza, onde foi eleito - JOÃO DIJORGE/PHOTOPRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
José Sarto (PDT) durante votação no segundo turno em Fortaleza, onde foi eleito Imagem: JOÃO DIJORGE/PHOTOPRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Guilherme Botacini

Colaboração para o UOL, em São Paulo

30/11/2020 04h00

Apenas sete prefeitos das 25 capitais em que as eleições se encerraram neste domingo (29) —Macapá ainda não teve eleições— governarão com maioria na Câmara Municipal de suas respectivas cidades.

Cinco deles estão no Nordeste: Sarto (PDT), em Fortaleza, João Campos (PSB), em Recife e Edvaldo (PDT) em Aracaju, venceram no segundo turno. Bruno Reis (DEM), em Salvador e Álvaro Dias (PSDB), em Natal, eleitos no primeiro turno, também terão maioria no legislativo.

Além deles, as alianças de Gean Loureiro (DEM), em Florianópolis e Marquinhos Trad (PSD), em Campo Grande também elegeram maiorias. As coligações de cada um desse grupo têm ao menos nove partidos, com exceção de Loureiro, coligado a apenas cinco.

Todos os outros 18 prefeitos de capitais terão de criar consensos se quiserem aprovar medidas que dependam do aval do legislativo.

A situação de alguns talvez seja mais cômoda. Caso de Emanuel Pinheiro (MDB), eleito em Cuiabá. Sua coligação elegeu apenas um candidato a menos que o necessário para obter maioria. A mesma situação se aplica a Cícero Lucena (PP), em João Pessoa.

Bruno Covas (PSDB), em São Paulo, com um discurso centralizador, e Alexandre Kalil (PSD), em Belo Horizonte, com alta aprovação, embora não tenham maioria, não devem encontrar dificuldade para arregimentar apoio legislativo.

Por outro lado, se o apoio de vereadores pode ser determinante para um governo sem grandes obstáculos políticos, alguns prefeitos de capitais não terão tarefa fácil em 2021.

É o caso de Dr. Pessoa (MDB) eleito prefeito de Teresina. Ele tem apenas três dos 29 vereadores da capital do Piauí em sua coligação. Além disso, derrotou o candidato do PSDB, que tem forte tradição na cidade e estava coligado a nove partidos.

Junta-se a ele JHC (PSB), eleito em Maceió com menos de um quinto do legislativo ao seu lado, e também ao derrotar um candidato com forte coligação, Alfredo Gaspar (MDB).

Em Boa Vista, Arthur Henrique (MDB) é o único eleito em capital que não conta com nenhum parlamentar municipal na sua coligação. A cidade tem um total de nove vereadores.