Topo

"Todos os papas são criticados, não existe unanimidade", diz dom Cláudio Hummes

Fernanda Calgaro

Do UOL, em Brasília

11/02/2013 19h02

Arcebispo emérito de São Paulo, dom Cláudio Hummes avalia que “todos os papas são criticados” por uma razão ou por outra e que “não existe unanimidade” sobre nenhum deles.

“Até mesmo João Paulo 2º tinha críticos”, disse dom Cláudio, rebatendo as críticas de que Bento 16, que anunciou a sua renúncia nesta segunda-feira (11), segue uma linha muito conservadora e pouco fez para combater os casos de abusos sexuais e pedofilia pelos padres.

ENTENDA O PROCESSO SUCESSÓRIO DO PAPA

Quando o chefe da Igreja Católica renuncia a sua função ou morre, seu sucessor é eleito pelos cardeais reunidos em conclave na Capela Sistina, onde ficam isolados do mundo exterior.

Cinco cardeais brasileiros deverão participar do conclave que se reunirá para eleger o sucessor do papa Bento 16. Segundo a última lista do Vaticano, atualizada há duas semanas, há um total de 119 cardeais aptos a votar no conclave.

Para poder votar na escolha do papa, o cardeal precisa ter menos de 80 anos. O Brasil tem um total de nove integrantes no Colégio Cardinalício do Vaticano, mas quatro deles já ultrapassaram a idade limite.

“Isso [a questão dos abusos] é um problema muito sério e que foi, de fato, enfrentado pelo atual papa, mas há muita coisa a ser feita ainda. É algo muito delicado que a Igreja deve enfrentar com muita lucidez”, afirmou ao UOL.

Ele disse ainda que os debates sobre a atuação da Igreja “são importantíssimos porque ajudam a aprofundar a discussão sobre o seu papel, para que vá por caminhos cada vez mais universais”.

Um dos cinco cardeais brasileiros aptos a votar na escolha do novo papa e também de ser escolhido para ocupar o posto, dom Cláudio Hummes afirmou que aguarda comunicação do Vaticano para saber qual será a programação do conclave.

“Estou à disposição para qualquer eventualidade, mas quero estar em Roma no dia 28 de fevereiro [dia em que Bento 16 entrega o cargo], porque fui por quatro anos seu colaborador imediato e gostaria de estar lá com ele neste momento.”

O arcebispo emérito de São Paulo disse que só soube da decisão de Bento 16 de renunciar ao papado hoje, mas não estranhou que ele não tivesse debatido o assunto antes com seus assessores.


“Ele fez bem em só contar agora, porque é muito complicado se discutir sem decidir. Até pelo fato de ser tão incomum, [a notícia da renúncia] iria causar um rebuliço monumental antes mesmo de acontecer.”

Segundo dom Cláudio, não havia nenhuma indicação de que Bento 16 renunciaria a não ser por dois indícios.

O primeiro por ele já ter mencionado no livro ‘Luz do Mundo’ sobre a possibilidade de um papa abrir mão do posto caso não se julgue apto, e o segundo pela sua saúde fragilizada.

“Despojar-se do prestígio e do poder que o cargo de papa confere a uma pessoa é um gesto de muita humildade e simplicidade.”

Em relação ao sucessor de Bento 16, o arcebispo emérito de São Paulo defende que a nacionalidade do candidato não seja fator dominante. “Os brasileiros têm tantas chances como qualquer outro.”

Mais Internacional