FBI vai investigar atropelamento que matou uma pessoa e feriu 19 nos EUA

Do UOL, em São Paulo

IMAGENS FORTES - Carro atropela manifestantes na Virgínia

O FBI anunciou neste domingo (13) o início de uma investigação de direitos civis sobre as circunstâncias que levaram um motorista a atropelar uma multidão nos Estados Unidos, quando nacionalistas de extrema-direita brancos e manifestantes antirracismo se enfrentavam em Charlottesville, na Virgínia, no sábado.

"O escritório do FBI de Richmond, a Divisão de Direitos Civis e o escritório do procurador-geral para o distrito oeste da Virgínia abriram uma investigação sobre direitos civis em torno das circunstâncias de um incidente automobilístico letal ocorrido cedo na manhã de sábado", anunciou a Divisão de Richmond da Polícia Federal norte-americana em um comunicado.

De acordo com a nota, "o FBI examinará todos os fatos e evidências disponíveis".

Ainda no sábado o procurador-geral norte-americano, Jeff Sessions, condenou o episódio. "A violência e as mortes em Charlottesville agridem o coração da lei e da Justiça americana", destacou Sessions. "Quando se produzem fatos de tamanha intolerância racial e de ódio, traem-se nossos valores fundamentais, e não podem ser tolerados", disse.

Carro atropela multidão e mata uma pessoa

Durante a confusão, um homem atropelou várias pessoas no sábado em uma marcha de manifestantes antirracismo em Charlottesville. Segundo as autoridades, uma mulher de 32 anos morreu no atropelamento. Outras 19 pessoas ficaram feridas --cinco estão em estado crítico.

O motorista suspeito do atropelamento foi preso logo após o crime. Ele foi identificado como James Alex Fields Jr., 20 anos, de Maumee, Ohio, e responderá a acusação de assassinato em segundo grau (intencional, mas não planejado com antecedência). A polícia não divulgou qual teria sido a motivação alegada pelo suspeito para cometer o ataque.

Vídeos de testemunhas mostram o momento em que o carro avança sobre manifestantes que marchavam contra os supremacistas brancos. Ele para ao se colidir com outro carro, e o motorista imediatamente dá marcha à ré.

Ryan Kelly/The Daily Progress via AP
Carro atropela multidão que protestava contra o racismo em Charlottesville, Virgínia

O incidente ocorreu pouco depois de o governador da Virgínia, Terry McAuliffe, ter declarado estado de emergência na cidade. Charlottesville está sendo palco de conflitos entre grupos antiracismo e nacionalistas brancos, neonazistas e membros da Ku Klux Klans desde a noite de sexta-feira (11), que se reuniram para protestar contra negros, imigrantes, gays e judeus.

Após o incidente, Trump condenou a violência oriunda de "vários lados", sem citar especificamente os grupos neonazistas.

Queda de helicóptero

Um helicóptero da polícia da Virgínia caiu e deixou dois agentes mortos neste sábado próximo à cidade de Charlottesville, onde grupos neonazistas e antirracistas se enfrentaram.

Segundo a polícia estadual da Virgínia, o helicóptero caiu por volta das 17h locais (18h de Brasília) perto de uma área florestal em Albermale. Os dois ocupantes do helicóptero eram policiais e morreram na queda; ninguém ficou ferido em solo.

A polícia afirmou que está investigando as causas do acidente. Ainda não se sabe se a queda da aeronave tem relação direta com os confrontos.

Joshua Roberts/Reuters
Grupo de manifestantes antirracismo trazia faixas contra a "supremacia branca"

"Unir a Direita"

A polêmica marcha "Unite the Right" (Unir a Direita) foi organizada como protesto pela retirada de uma estátua em homenagem ao general confederado Robert E. Lee, que liderou as forças sulistas, pró-escravidão, durante a Guerra Civil dos EUA, no século 19. Nela, os nacionalistas gritaram palavras de ordem contra negros, imigrantes, homossexuais e judeus e carregaram tochas, fazendo gestos nazistas.

Antes do atropelamento, os confrontos entre os manifestantes neste sábado aconteceram no Emancipation Park, local onde está a estátua do general Lee, pouco antes do meio-dia, quando estava marcado o evento, que prometia reunir mais de mil manifestantes, incluindo líderes de grupos associados à extrema-direita do país. Quinze pessoas ficaram feridas nesses confrontos.

"Vocês não nos apagarão", cantou uma multidão de nacionalistas brancos, enquanto os manifestantes contrários levavam cartazes que diziam: "Nazi vai para casa" e "Destrua a supremacia branca".

A polícia precisou intervir e usar gás de pimenta para dispersar os dois grupos. Depois que a multidão foi dispersada, dezenas de agentes da lei vestidos com equipamentos de proteção foram vistos patrulhando as ruas, com pequenos grupos de manifestantes reunidos em bolsões nas ruas circundantes.

Segundo o presidente da Câmara de Vereadores da cidade, Mike Signer, a manifestação é racista, "uma parada covarde de ódio, preconceito, racismo e intolerância".

(Com agências internacionais)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos