Topo

Planalto: Bolsonaro foi à CIA para "cortesia" e por acordos de inteligência

Alan Santos e Isac Nóbrega / Presidência da República
O presidente Jair Bolsonaro desembarca na Base Aérea de Andrews, nos EUA, para visita oficial ao país Imagem: Alan Santos e Isac Nóbrega / Presidência da República

Marcela Leite

Do UOL, em São Paulo

2019-03-18T20:32:15

18/03/2019 20h32

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) foi recebido pela diretora da CIA (Agência de Inteligência Americana) durante uma "visita de cortesia", segundo o porta-voz da Presidência, general Otávio Rêgo Barros. A visita aconteceu pela manhã e só foi esclarecida pelo representante do Planalto no início da noite de hoje.

A visita, que estava fora da agenda oficial de compromissos de Bolsonaro divulgada à imprensa, aconteceu no mesmo dia em que o Brasil assinou um acordo que permite que os Estados Unidos lancem satélites a partir da Base de Alcântara, no Maranhão. A medida ainda precisa ser aprovada pelo Congresso Nacional.

De acordo com o porta-voz, durante a reunião, Bolsonaro discutiu sobre crime organizado, crimes transacionais e eventualmente sobre possíveis acordos de "integração da atividade de inteligência no âmbito da América".

Rêgo Barros também aproveitou para elogiar o presidente Donald Trump pela "fidalguia" com que recebeu a comitiva brasileira e destacar a reunião de amanhã entre os dois presidentes.

"Será um encontro histórico para os países", disse o porta-voz.

Nesta noite, Bolsonaro fez um discurso de cerca de 10 minutos durante palestra a investidores e empresários dos Estados Unidos em Washingon. O presidente se mostrou bastante à vontade, sem ler nenhum roteiro, e afirmou que o povo americano sempre foi inspiração para ele em momento de tomada de decisões importantes. Foi a primeira fala em público desde que ele chegou ontem ao país.

Bolsonaro elogiou o governo norte-americano, mostrou-se um admirador do ex-presidente Ronald Reagan e traçou um paralelo entre os povos do Brasil e dos Estados Unidos, que ele disse terem em comum os valores conservadores e o temor a Deus. "Estamos prontos para ouvi-los de modo que as políticas adotadas por nós tragam paz ao Brasil e aos Estados Unidos", disse.

Bolsonaro elogia EUA e defende parcerias com o país

UOL Notícias
Errata: o texto foi atualizado
19/03/2019 às 00h22
Diferentemente do informado, a sigla CIA significa Agência de Inteligência Americana em português. O texto foi corrigido