PUBLICIDADE
Topo

Isolados em casa, músicos franceses tocam o Bolero de Ravel e postam vídeo

Do UOL, em São Paulo

02/04/2020 17h00

A iniciativa é ousada, mas teve um grande resultado: unir os músicos que fazem parte da Orquestra Nacional da França - cada um isolado em sua casa - para interpretar o "Bolero" do compositor francês Maurice Ravel.

A pandemia do novo coronavírus não impediu os artistas de se juntarem, ainda que bem longe uns dos outros, para um momento de concentração, mas também de leveza em meio ao aumento de infecções e mortes na França e pelo mundo.

O objetivo do grupo era enviar aos amantes de música a seguinte mensagem, diz o site da Associated Press: "Nós ainda estamos aqui por vocês".

Imagine montar um quebra-cabeça com cada vídeo gravado. A tecnologia deu o toque mágico, colocando em sincronia todas as imagens e sons. A edição final foi colocada no YouTube e nas redes sociais.

"Para nós, o público é essencial. Sem ele, nós não existimos realmente", afirma Didier Benetti, um dos participantes.

Benetti fez um novo arranjo para a obra de Ravel, que tem originalmente 15 minutos de duração, em uma versão mais "digital" de quatro minutos.

As partituras foram enviadas por email. Usando fones de ouvido, os músicos podiam acompanhar uma trilha de fundo da composição, como se fosse um guia.

A apresentação começa com três instrumentistas, no violoncelo, violino e percussão. Depois entra a flauta. E assim por diante, até totalizarem 50 instrumentos.

O trabalho foi feito durante quatro dias de gravação na última semana de março e depois editado por Dimitri Scapolan, produtor de vídeo e engenheiro de som. Ele misturou às gravações domésticas o áudio de uma gravação da orquestra anterior à pandemia de covid-19.

E em vez dos trajes formais geralmente usados por eles nas apresentações nos palcos das salas de concerto, desta vez estavam todos bem à vontade nas suas roupas de ficar em casa.

"Estamos começando a perceber que nós realmente precisamos uns dos outros", disse Benetti. "Música é compartilhar".

Coronavírus