PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Braga Netto diz que proibição de entrada de brasileiros nos EUA é "técnica"

O ministro-chefe da Casa Civil, general Walter Braga Netto - Isac Nóbrega/PR
O ministro-chefe da Casa Civil, general Walter Braga Netto Imagem: Isac Nóbrega/PR

Do UOL, em São Paulo

26/05/2020 18h30

O ministro-chefe da Casa Civil, Walter Braga Netto, comentou hoje a decisão do governo dos EUA que proibiu a entrada de brasileiros ou estrangeiros que estiveram no Brasil pelos últimos 14 dias e definiu a medida como "técnica".

"A posição dos EUA se baseou em critérios técnicos, do mesmo jeito que o Brasil também se baseou em critérios técnicos, porque nós já tínhamos bloqueado a entrada dos americanos aqui", disse Braga Netto, que citou nota divulgada pelo Itamaraty com o mesmo teor logo depois do anúncio da decisão americana no último domingo (24).

O ministro afirmou que decisões desse tipo envolvem muitas áreas do governo.

"Assim que possível, dentro de critérios técnicos, nós iremos reabrir. Essas portarias de reabertura ou fechamento de fronteiras, de passageiros - tem pessoas que acham que isso é uma decisão só de governo - entra Ministério da Justiça, Relações Exteriores, Agricultura, Saúde, Anvisa, Ministério da Infraestrutura, todos opinam antes de tomar uma decisão dessas. Então é basicamente isso, em cima de critérios técnicos", disse Braga Netto em entrevista coletiva no Planalto.

Itamaraty já tinha seguido mesma linha

Segundo o Itamaraty, "a decisão do governo dos Estados Unidos de suspender temporariamente a entrada de viajantes provenientes do Brasil, anunciada hoje (domingo, 24), tem teor idêntico a medidas anteriores que suspenderam a entrada de viajantes de outros países afetados pelo Covid-19, como China, Irã, Reino Unido e Irlanda, bem como os países que fazem parte do Espaço Schengen da União Europeia".

A pasta também reforçou uma informação, divulgada pelo ministro Ernesto Araújo, de que o governo americano fará doações para ajudar no combate à doença no Brasil, além de citar que ambos os países "têm mantido importante cooperação bilateral no combate à covid-19".

Coronavírus