PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
9 meses

Casal que recusou vacina morre por complicações de covid e deixa 4 filhos

O casal Lawrence e Lydia Rodriquez com os quatro filhos; eles não resistiram ás complicações da covid-19 - GoFundMe
O casal Lawrence e Lydia Rodriquez com os quatro filhos; eles não resistiram ás complicações da covid-19 Imagem: GoFundMe

Do UOL, em São Paulo

19/08/2021 11h55

Um casal do Texas que recusou tomar a vacina contra covid-19 por "não acreditar" na eficácia do imunizante morreu em decorrência da doença, deixando quatro filhos. Quando foi internada na UTI, a mulher pediu para ser vacinada, mas os médicos disseram que não havia mais tempo.

Lawrence e Lydia Rodriquez foram internados em julho em um hospital de La Marque. Após mais de três semanas hospitalizado, ele morreu no dia 3 de agosto. Com complicações que afetaram seu rim, Lydia morreu na manhã da última quarta-feira (17).

Sua prima, Dottie Jones, foi quem confirmou as mortes. Ela começou uma campanha no GoFundMe para ajudar os filhos a pagarem as despesas do hospital. Até a manhã de hoje, dos US$ 80 mil pedidos, as doações já haviam alcançado US$ 63.606.

Jones deu entrevistas a diversos jornais e canais de TV dos Estados Unidos e confirmou que o casal se recusou a tomar a vacina contra covid-19. "Eles não acreditavam em vacinas. Você tenta falar com eles, e Lydia simplesmente não gosta disso, não confiava nisso, eu acho", contou ela ao canal ABC13.

No entanto, assim que entrou na UTI, Jones conta que Lydia mudou de ideia sobre a vacina pediu para tomá-la. Os médicos disseram que era tarde demais. "Antes de ser intubada, uma das últimas coisas que ela disse à irmã foi 'por favor, certifique-se de que meus filhos sejam vacinados'", disse Jones.

Agora, a família tenta cuidar dos quatro filhos do casal — os gêmeos Nathan e Ethan, de 18 anos; Adam, de 16, e a filha Synphonia, de 11 anos — e ajudá-los a pagar as contas já que a família não tinha reserva financeira. Lydia era professora de piano, e Lawrence esgotou o prazo de férias remuneradas, segundo a prima.

Jones acredita que se os dois tivessem tomado a vacina nada disso teria acontecido e quer que a história sirva de alerta a quem nega a imunização.

"Parte meu coração que as pessoas estão acreditando na desinformação. A desinformação está matando pessoas, e precisamos divulgar a verdade", disse ela ao canal.

Internacional