PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Países nórdicos oferecem apoio a Finlândia e Suécia em caso de ataque russo

Sede da Otan em Bruxelas - Yves Herman/Reuters
Sede da Otan em Bruxelas Imagem: Yves Herman/Reuters

Do UOL, São Paulo

16/05/2022 12h17

A Noruega, a Dinamarca e a Islândia fizeram um comunicado conjunto hoje e disseram que vão dar apoio à Finlândia e à Suécia caso os dois países sofram retaliações da Rússia por conta de seus pedidos de entrada na Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte).

O anúncio do suporte ocorre na esteira das primeiras movimentações para que Finlândia e Suécia ingressem na aliança militar liderada pelos Estados Unidos.

"Juntamente à Dinamarca e à Islândia, a Noruega está pronta para ajudar seus vizinhos nórdicos por todos os meios necessários caso sejam vítimas de agressão em seu território antes de obterem a adesão à Otan", disse o primeiro-ministro da Noruega, Jonas Gahr Stoere.

Em Estocolmo, capital da Suécia, o governo minoritário social-democrata da Suécia tomou hoje a decisão formal de se candidatar à adesão à Otan. A legenda se reuniu ontem para bater o martelo a respeito da entrada no bloco e decidiu seguir os passos da Finlândia no sentido de redesenhar o mapa geopolítico do norte da Europa.

"Há uma ampla maioria no parlamento da Suécia para aderir à Otan", disse a primeira-ministra Magdalena Andersson após um debate sobre política de segurança no parlamento. "A melhor coisa para a Suécia e a população sueca é aderir à Otan", acrescentou.

Hoje mais cedo, a Rússia disse que o Ocidente não deve ter ilusões de que Moscou tolerará a expansão nórdica à Otan, classificando a medida como "um grave erro" que alimentaria tensões militares.

"Para nós, está claro que a segurança da Suécia e da Finlândia não será reforçada por esta decisão", afirmou o ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergeu Lavrov, antes de destacar que "o nível de tensão aumentará".

Para Finlândia e Suécia, países que não entraram para a Aliança nem durante a Guerra Fria, a mudança de rumo é consequência da ofensiva russa contra a Ucrânia, pois Moscou é percebida como uma ameaça por seus vizinhos.

A Finlândia, em particular, compartilha 1.300 quilômetros de fronteira com a Rússia.

Internacional