PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Morte de 21 jovens em bar choca sul-africanos: 'Não dava pra respirar'

O caso aconteceu no dia 26 de junho, em um bar no subúrbio de East London - Reprodução/ IOL
O caso aconteceu no dia 26 de junho, em um bar no subúrbio de East London Imagem: Reprodução/ IOL

Colaboração para o UOL, de São Paulo

07/07/2022 13h29Atualizada em 07/07/2022 13h29

A polícia sul-africana encontrou 21 adolescentes mortos misteriosamente em um bar em Scenery Park, um subúrbio de East London, em Eastern Cape. A tragédia, que gerou indignação no país, ainda está sendo investigada. Uma testemunha afirma que as portas foram fechadas e um gás causou a intoxicação dos jovens.

Segundo a mídia internacional, tudo aconteceu durante uma noite de comemoração. Naquele dia, os jovens celebravam o fim das provas escolares no bar Enyobeni Tavern.

No total, 21 mortes foram registradas após o incidente, sendo que 17 jovens já estavam inconscientes quando a polícia chegou ao local, de acordo com o tabloide Daily Star. A mais jovem das vítimas é uma menina de 13 anos.

Conforme informações da polícia local, os jovens mortos não apresentavam nenhum sinal de ferimento. Dessa forma, os investigadores aguardam os resultados dos exames toxicológicos para identificar o que aconteceu com as vítimas.

Por enquanto, nenhuma prisão foi realizada e os oficiais ainda não divulgaram nomes de quaisquer suspeitos que possam estar conectados ao ocorrido. "Não há novos desenvolvimentos nesta fase", narrou Tembinkosi Kinana, um porta-voz do Serviço de Polícia da África do Sul, em entrevista à ABC News, na última terça-feira (05).

"Em um momento apropriado e assim que os resultados [toxicológicos] forem divulgados, uma declaração formal será emitida", continuou o porta-voz. "Ainda não foi determinado quando os resultados serão divulgados."

Uma tragédia misteriosa

Em entrevista à ABC News, Sibongile Mtsewu, de 22 anos, que estava no bar no dia da tragédia, lembrou daquela noite. Ele conta que, enquanto pedia bebidas, escutou as portas da boate serem fechadas repentinamente.

Em seguida, sem que a grande maioria das pessoas percebesse, algum tipo de agente químico, como gás lacrimogêneo ou spray de pimenta, teria sido liberado no ar. "Não havia saída. Não tinha como respirar", disse o jovem durante a entrevista. As informações dadas por Mtsewu, no entanto, não foram comentadas pela polícia local.

Um funeral simbólico foi realizado na quarta-feira (06), quando 19 caixões vazios foram cortejados por familiares e amigos das vítimas. O presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, esteve entre as centenas de pessoas presentes na cerimônia.

Aos pais em luto, Ramaphosa lamentou a tragédia, afirmando que "nossos corações estão partidos". "Perdemos nossos filhos aqui. Cada um deles tinha uma alma linda. Cada um deles tinha sonhos lindos. Cada um deles tinha um futuro brilhante pela frente", pontuou o presidente, antes de prestar homenagens aos 21 adolescentes.

Em seguida, o político ainda reforçou que as famílias das vítimas merecem respostas. Assim, ele pediu que a polícia conclua a investigação o mais rápido possível, a fim de entregar um desfecho aos responsáveis.

"É horrível que existam pessoas por aí culpando os pais, culpando os jovens por irem para lá... As famílias querem o fechamento [do local], querem saber o que aconteceu com seus filhos." Cyril Ramaphosa, presidente da África do Sul.

Por enquanto, duas das vítimas, ambas garotas, já foram enterradas em cerimônias particulares. Os outros jovens mortos naquela noite devem ser sepultados nos próximos dias, de acordo com informações da mídia local.

Depois da tragédia, o bar foi fechado e teve sua licença de comércio de bebidas alcoólicas suspensa. Agora, a população local pede por respostas, questionando como a entrada de jovens de 13 a 17 anos foi autorizada na Enyobeni Tavern, ainda mais considerando que a maioridade no país é atingida apenas aos 18 anos.

Internacional