Conteúdo publicado há 3 meses

Brasileiro voluntário é atingido por míssil e morre em guerra na Ucrânia

Um brasileiro natural de Rondônia, de 23 anos, morreu ao ser atingido por um míssil na Ucrânia. Ele atuava como voluntário na guerra há mais de um ano. A morte foi confirmada ao UOL pela irmã da vítima, Juliana Sales.

O que aconteceu

Júlio César Sales Soeiro teria sido atingido junto a um grupo de militares que atuavam na região de Adviivka na última terça-feira (14). A situação nos arredores da cidade "é muito tensa", anunciou a televisão estatal ucraniana na quinta-feira (16).

Os familiares foram informados da morte por um amigo de Júlio, com quem mantinham contato. "O amigo dele nos informou que não sobrou nenhuma parte do corpo dele. Um canadense e um norte-americano também morreram. Os outros dois corpos foram recuperados, mas o dele não", contou Juliana.

A irmã do brasileiro ressaltou que a família, até o momento, não recebeu assistência do governo brasileiro. Procurado pelo UOL, o Itamaraty não informou se está prestando assistência consular.

Juliana lamentou a perda do irmão e disse que ele morreu como um herói. "Morreu para salvar um amigo ferido em combate. Infelizmente, não vamos poder dar um último adeus, morreu como herói, meu irmão".

A cidade industrial de Avdiivka foi controlada temporariamente, em julho de 2014, por Moscou, antes de regressar ao controle ucraniano, e é um dos pontos mais disputados neste conflito. Em outubro, A Rússia lançou uma nova ofensiva na região para cercar e reconquistar a cidade, e agora intensifica os ataques.

'Herói de guerra'

A família, por meio das redes sociais, destacou que o jovem morreu em combate
A família, por meio das redes sociais, destacou que o jovem morreu em combate Imagem: Reprodução/Facebook

Júlio César nasceu em Cacoal (RO), mas morava com a família em Machadinho D'Oeste (RO), antes de se mudar para o exterior.

Continua após a publicidade

Ele chegou a servir no Exército do Brasil, no Amazonas, por um ano e meio. "Desde criança, era o sonho dele ser um soldado. Ele ficou como recruta na cidade de Humaitá, mas infelizmente, foi dispensado", lamentou a irmã.

Em 2022, decidiu viajar para França, com o objetivo de continuar na carreira militar. "Ele ficou sabendo que poderia conseguir entrar para o Exército francês com facilidade. Pediu ajuda da família e a gente pagou os custos da viagem. Mas não deu certo", lembrou.

Juliana diz que o irmão, após não ter sucesso na França, decidiu se alistar voluntariamente para atuar na guerra da Ucrânia. Ele passou um período de treinamento com as forças de defesa ucranianas antes de atuar no front da batalha.

A irmã contou que sempre pedia para ele voltar ao Brasil. "Como dói, meu Deus. Saber que seu corpo está em uma vala aí nesse campo de batalha. Como eu te implorei para você voltar, mas você sempre quis ser um herói de guerra", afirmou a irmã.

Eu nunca quis que ele fosse para a guerra. Eu estou despedaçada, mas eu tenho orgulho do meu irmão. Ele realizou o sonho dele e morreu para salvar um amigo.
Juliana Sales, irmã de Júlio César

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes