Conteúdo publicado há 1 mês

Execução de serial killer é suspensa após equipe não achar veia do preso

A execução do serial killer Thomas Eugene Creech, 73, condenado à morte nos Estados Unidos, foi interrompida na quarta-feira (28) após a equipe não conseguir encontrar uma veia para aplicar a injeção letal. A informação foi divulgada pelas autoridades do estado de Idaho.

O que aconteceu

Não foi possível prosseguir com a execução de Creech. O comunicado foi feito pelo Departamento de Correção do estado. "Senhor. Creech será devolvido à sua cela e as testemunhas serão escoltadas para fora das instalações. Como resultado, a sentença de morte expirará. O estado considerará os próximos passos", diz o comunicado divulgado pelo diretor do departamento, Josh Tewalt.

Profissionais tentaram acessar as veias do condenado e falharam ao menos 10 vezes. Os defensores públicos que representam o preso e testemunhas disseram que as autoridades tentaram enfiar agulhas em cada um dos membros de Thomas antes de interromper o esforço. "Estamos irritados, mas não surpresos, que o estado de Idaho tenha estragado a execução de Thomas Creech hoje", disseram os representantes dele, em comunicado.

Após a falha, a defesa quer interromper novas tentativas de execução de Thomas Creech. Conforme o jornal The New York Times, testemunhas disseram que os profissionais médicos usaram localizadores de veias, compressas quentes e medidores de pressão arterial para obter acesso às veias. Josh Tewalt esclareceu que a equipe médica realizou uma avaliação e acreditou que poderia estabelecer acesso a uma veia. Mas concluiu mais tarde que havia problemas de "qualidade das veias".

Josh Tewalt disse que não poderia falar sobre o que governo de Idaho faria a seguir. Embora o pelotão de fuzilamento fosse uma opção segundo a lei de Idaho, ele esclareceu que o estado ainda não tem capacidade para realizar isso. Ele acrescentou que seria necessária uma mudança na lei estadual para tornar o gás nitrogênio uma opção. "Essas são discussões que terão que acontecer nos próximos dias", afirmou ao New York Times.

Creech seria executado na Instituição de Segurança Máxima de Idaho. Horas antes, a Suprema Corte dos EUA negou o pedido para suspender a execução. A decisão foi da juíza associada da Suprema Corte, Elena Kagan. O 9º Tribunal de Apelações do Circuito dos EUA também negou o pedido no último sábado (23).

Antes da falha, o Departamento de Correções de Idaho chegou a emitir um comunicado confirmando a execução para hoje (28). "Ontem à noite, o Sr. Creech visitou sua esposa durante toda a noite. Além disso, seu conselheiro religioso passou uma hora com ele esta manhã. O Sr. Creech comeu frango frito, purê de batata com molho, milho, pãezinhos e sorvete como último lanche. O Sr. Creech permaneceu cooperativo nos dias que antecederam a execução", dizia o comunicado do departamento penitenciário.

Creech é o preso mais antigo no corredor da morte do país. Ele foi condenado por cinco assassinatos em três estados e é suspeito de envolvimento em pelo menos 12 mortes. De acordo com documentos judiciais, Creech admitiu ter matado ou participado dos assassinatos de pelo menos 26 pessoas, segundo a rede de televisão CBS News. Enquanto cumpria pena de prisão perpétua, Creech, em 1981, espancou um colega presidiário, David Jensen, com uma meia cheia de baterias, e se declarou culpado do assassinato.

Defesa pediu suspensão da execução

Os advogados de Creech entraram com uma petição para a suspensão da execução. Um dos argumentos foi que o serial killer foi condenado por um juiz, e não por um colegiado.

Continua após a publicidade

A defesa alegou que os direitos ao devido processo foram violados pela Suprema Corte de Idaho. A petição acrescentava: "Há fortes razões para suspeitar que pelo menos alguns estados foram longe demais ao limitar a revisão pós-condenação, apelando assim à intervenção do Tribunal".

Creech disse ter se reabilitado durante o tempo preso. Seus advogados destacaram "sua conduta disciplinar" nos últimos 28 anos.

Dias antes da execução, o governador de Idaho, Brad Little, disse que tinha "intenção zero" de interromper a execução do preso. "Thomas Creech é um serial killer condenado, responsável por atos de extrema violência", disse Little em comunicado divulgado em 29 de janeiro. "Sua sentença legal, justa e deve ser executada conforme ordenado pelo tribunal".

Deixe seu comentário

Só para assinantes