Conteúdo publicado há 28 dias

Diretor de inteligência militar de Israel pede demissão

O diretor do serviço de inteligência militar israelense, general Aharon Haliva, pediu demissão por sua "responsabilidade" no ataque do movimento islamista palestino Hamas de 7 de outubro, anunciou o Exército nesta segunda-feira.

O general Haliva é o primeiro oficial de alto escalão a renunciar ao cargo pelas falhas de segurança que permitiram o ataque sem precedentes do Hamas, que chocou Israel.

O general Haliva, "em coordenação com o comandante do Estado-Maior, solicitou o fim de suas funções devido a sua responsabilidade como diretor de inteligência nos eventos de 7 de outubro", afirmou o Exército em um comunicado.

"Foi decidido que o general Aharon Haliva deixará sua posição e vai deixar o Exército após a nomeação de seu sucessor", acrescenta a nota.

Na carta de renúncia, Haliva assume a responsabilidade e afirma que carregará para "sempre a terrível dor da guerra".

"A divisão de inteligência sob meu comando não esteve à altura da tarefa que nos foi confiada", afirmou Haliva. "Eu carrego aquele dia comigo desde então. Dia após dia, noite após noite. Carregarei para sempre a terrível dor da guerra."

Na carta, Haliva pede "uma investigação exaustiva sobre os fatores e circunstâncias" que levaram ao ataque.

O ataque do Hamas de 7 de outubro desencadeou o conflito em Gaza entre Israel e Hamas. A invasão resultou na morte de 1.170 pessoas em função dos disparos dos milicianos e das forças de defesa de Israel. Foram sequestradas 250 pessoas, segundo um balanço da AFP baseado em dados divulgados pelas autoridades israelenses.

A ofensiva israelense em Gaza deixou 34.097 mortos, segundo o Ministério da Saúde do território palestino, governado pelo Hamas desde 2007.

Continua após a publicidade