Conteúdo publicado há 22 dias

Biden diz que Trump ameaça a democracia dos EUA: 'Vocês podem detê-lo'

Joe Biden disse, nesta sexta-feira (31), que Donald Trump ataca o sistema judicial dos EUA e é uma ameaça à democracia. A declaração ocorre um dia depois de o seu adversário eleitoral republicano ter sido condenado por 34 acusações em um julgamento criminal em Nova York.

O que aconteceu

O presidente dos Estados Unidos usou o X para comentar sobre a condenação de Trump. Biden será candidato à reeleição, e o ex-presidente é o principal adversário.

Donald Trump ameaça a nossa democracia. Primeiro, ele questionou o nosso sistema eleitoral. Depois, questionou o nosso sistema judicial. E agora, vocês podem detê-lo.
Joe Biden, no X

Trump fez mais um discurso nesta sexta após ser condenado pela Justiça norte-americana. Ele falou por 35 minutos, fez ataques ao presidente Joe Biden, pediu a troca do juiz do caso, se defendeu das acusações e disse que vai recorrer.

Ex-presidente chamou Biden de "desonesto, burro e mais incompetente da história" dos EUA. "Você dá uma olhada na maneira como ele trata a China, a Rússia e tantos outros", disse. "Ele é um perigo muito grande para o nosso país.".

Trump contestou a acusação de fraude e disse que cometeu só um delito leve. "Foi uma despesa legal, um pagamento para o meu advogado, e eles estão chamando de fraude contábil (...). O dinheiro foi pago de forma legal, foi apenas um acordo de confidencialidade".

Ex-presidente disse que vai recorrer da decisão. Trump ainda enfrenta outros três processos criminais — dois deles por seus esforços para anular a derrota eleitoral de 2020 — mas o veredicto de Nova York pode ser o único proferido antes da eleição, já que os outros casos estão envolvidos em disputas jurídicas.

"Foi um julgamento injusto, queremos mudança de juiz". Ele acusou o juiz Juan Merchan, responsável pelo processo, de "crucificar" as testemunhas de defesa dele ao longo do julgamento. Trump disse, ainda, que o magistrado "parece um anjo, mas na verdade é um demônio" e que é "cheio de conflitos" de interesses.

Continua após a publicidade