11 de Setembro

Mistério do envolvimento saudita no 11 de Setembro está prestes a ser desvendado

Alain Frachon

  • Carolyn Kaster/AP

    21.abr.2016 - O presidente Barack Obama com o rei Salman, da Arábia Saudita, em encontro em Riad

    21.abr.2016 - O presidente Barack Obama com o rei Salman, da Arábia Saudita, em encontro em Riad

É um documento pequeno, não passando de 28 páginas, mas que em breve poderá desestabilizar uma das relações mais estratégicas do Oriente Médio: a aliança entre a Arábia Saudita e os Estados Unidos. Essas páginas se encontram em algum lugar do subsolo do Congresso, em Washington, no fundo de um cofre. Não se sabe com precisão qual o conteúdo, que poderá vir a público dentro de algumas semanas, deteriorando um pouco mais o clima já tempestuoso entre Riad e Washington.

A relação entre a Casa Branca e os Saoud está em fase de desencanto. O casamento começou em fevereiro de 1945, quando Franklin Roosevelt e o rei Abdel Aziz al-Saoud travaram uma sólida união "de interesses": os Estados Unidos garantiriam a segurança do reino, que por sua vez garantiria seu abastecimento em petróleo. Setenta anos depois, foi tudo por água abaixo.

Graças ao xisto betuminoso, os americanos estão menos dependentes do que nunca do petróleo do golfo. Barack Obama tem dado langorosos sinais ao Irã, a potência regional rival da Arábia Saudita, e Riad acusa os Estados Unidos de estarem deixando a República Islâmica do Irã estender sua influência sobre o Oriente Médio através de seus aliados árabes, como o regime de Bashar al-Assad em Damasco, o Hezbollah libanês, o governo xiita em Bagdá e as milícias houthis no Iêmen.

Grande mal-estar

Os Saoud se sentem traídos. A última visita do presidente americano a Riad, no final de abril, não dissipou esse grande mal-estar. A bem dizer, é algo que começou antes, muito antes do "traidor" Obama. Foi no dia 12 de setembro de 2001, quando Washington, após os atentados de 11 de setembro, anunciou a seguinte notícia: 15 dos 19 terroristas eram sauditas. Começava o caso das 28 páginas.

Pouco após o ataque mais mortífero já perpetrado nos Estados Unidos, com quase 3 mil mortos, o Congresso formou uma comissão de investigação, encarregada de determinar as responsabilidades internas e externas. Seu relatório de 838 páginas foi publicado em julho de 2004. A comissão confirmou a "assinatura" da Al Qaeda: a organização de Bin Laden, então abrigado no Afeganistão dos talibãs, de fato havia sido o mentor dos atentados. A comissão absolveu o Irã e o Iraque de qualquer responsabilidade.

Mas e a Arábia Saudita? Afinal, os 15 sauditas foram educados com a versão saudita do islamismo, sendo alimentados desde pequenos com o wahabismo, uma escola de ódio a todas as outras religiões. Haveria uma responsabilidade por parte de Riad? A comissão concluiu que não havia "nenhuma prova de que o governo saudita, na condição de instituição, ou que oficiais sauditas de alto escalão, na condição de indivíduos", tivessem financiado ou apoiado o ataque de 11 de setembro de 2001.

Muito bem. E o que dizer de uma eventual responsabilidade saudita de "baixo escalão"? Não se sabe. A pedido do presidente Bush, as 28 páginas seguintes foram censuradas. Mas hoje, mais do que nunca, as famílias das vítimas estão exigindo a publicação desse capítulo. Já o Congresso está preparando uma lei que autoriza um cidadão americano a processar na Justiça um governo estrangeiro. Riad não aceitou isso nada bem. Obama, cauteloso, acaba de informar que ele vetaria esse texto.

SITE Intelligence Group/AFP
O sequestrador e terrorista saudita Khalid Muhammad Abdullah al-Mihdhar em um vídeo gravado pela Al Qaeda e divulgado por ocasião do 11º aniversário do 11 de Setembro

No dia 10 de abril, o célebre programa da rede CBS "60 Minutes" entrevistou ex-membros da comissão de investigação do Congresso que, é claro, conheciam o conteúdo das 28 páginas. Bob Graham, ex-senador da Flórida, era o vice-presidente da comissão, e respondeu a Steve Kroft, um dos jornalistas do programa:

"Penso que seria impensável acreditar que 19 pessoas, a maior parte delas sem falar inglês, que nunca haviam estado nos Estados Unidos antes e que, sem um nível de educação elevado no caso de muitas delas, tenham conseguido conduzir uma operação tão complicada quanto a do 11 de Setembro, sem ter um mínimo de apoio logístico nos Estados Unidos.

- Um apoio de origem saudita?
- Em sua maior parte.
- Você quer dizer oficiais, os ricos e as fundações na Arábia Saudita?
- Tudo isso junto. "

Os outros depoimentos colhidos pela CBS também apontavam para o possível envolvimento de um diplomata saudita de baixo escalão lotado em Los Angeles. Ele teria ajudado os dois primeiros terroristas que chegaram aos Estados Unidos, Nawaf al-Hazmi e Khalid al-Mihdhar, sauditas que só falam árabe e desembarcaram em Los Angeles em janeiro de 2000.

Ele os teria colocado em contato com outros sauditas —talvez membros de uma célula dormente da Al Qaeda?— que lhes providenciaram hospedagem na região de San Diego e os inscreveram em cursos de pilotagem (somente decolagem).

O programa "60 Minutes" corrobora uma longa reportagem publicada em agosto de 2011 pela revista "Vanity Fair", onde Bob Graham já declarava sua convicção: "O 11 de Setembro não poderia ter acontecido sem a existência de uma infraestrutura pré-existente nos Estados Unidos".

A não publicação das 28 páginas teria sido decidida para proteger a relação entre americanos e sauditas. Nos dias que se seguiram ao 11 de Setembro, cerca de 75 membros da família real da Arábia Saudita (e cerca de vinte membros da família Bin Laden) deixaram os Estados Unidos.

Hoje há parlamentares que exigem a retirada de sigilo dessas 28 páginas, e certos oficiais sauditas disseram que também seriam a favor. O presidente Obama não seria contra, parecendo disposto a seguir o parecer do Congresso e o dos diretores das agências de inteligência. Estes continuam reticentes, mas estão estudando a questão e prometeram uma resposta para junho. O mistério das 28 páginas poderá em breve cair.

Tradutor: UOL

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos