PUBLICIDADE
Topo

Meio Ambiente

Decisão do Brasil de não sediar Conferência do Clima causa mal-estar diplomático

Jamil Chade, correspondente

Genebra

29/11/2018 09h08

A decisão do Brasil de não sediar a Conferência do Clima (COP) em 2019 criou um mal-estar diplomático e obrigou a Organização das Nações Unidas (ONU) a se apressar para procurar um novo país disposto a receber o evento.

$escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2018/10nov2015---uma-arte-mostra-um-globo-terrestre-esvaziando-esta-exposta-em-paris-na-franca-onde-acontecera-a-21-conferencia-do-clima-das-nacoes-unidas-cop-21-a-obra-faz-referencia-ao-fato-de-que-1543490373413.vm')Costurado ao longo do ano, o acordo que previa que o Brasil sediasse a COP-25 seria anunciado na COP-24, na Polônia, onde estarão 50 chefes de Estado. A conferência é realizada de forma alternada nos continentes e em 2019 será na América Latina.

O presidente Michel Temer havia se mostrado interessado em acolher o evento em 2017, em Bonn. Na época, o ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, disse que o fato seria um "marco" no caminho até a implementação do Acordo de Paris. Como o Brasil havia conseguido apoio dos outros países, a ONU não tem plano B.

Leia também:

Agora, a entidade corre para encontrar uma solução, enquanto governos estrangeiros criticam, nos bastidores, a postura do Brasil. Apesar de o Itamaraty ter alegado razões financeiras e de transição de governo, representantes da ONU ouvidos pelo reportagem não acreditam nos argumentos. O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), admitiu nesta quarta-feira, 28, que teve participação na decisão.

Em condição de anonimato, um membro do alto escalão da entidade afirmou que a decisão é um sinal do que deverá ser a política de meio ambiente do novo governo brasileiro. Ele destacou que o Brasil é reconhecido por manter os compromissos assumidos e que a medida é uma quebra dessa postura.

Oficialmente, a ONU adotou um tom técnico. "Sediar a COP é um compromisso logístico e financeiro significativo", disse o vice-secretário executivo da entidade, Ovais Sarmad. "A oportunidade de servir de sede respeita uma rotação entre os cinco grupos regionais. É a vez do Grupo da América Latina e Caribe (Grulac) de sediar a conferência em 2019", disse. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Meio Ambiente