Ambiente

Líder comunitário que denunciava crimes ambientais é morto em Barcarena

Aliny Gama

Colaboração para UOL, em Maceió

  • Instituto Evandro Chagas

    Peritos flagraram enxurrada de lama contaminada escorrendo da sede da empresa norueguesa em Barcarena

    Peritos flagraram enxurrada de lama contaminada escorrendo da sede da empresa norueguesa em Barcarena

O diretor da Cainquiama (Associação dos Caboclos, Indígenas e Quilombolas da Amazônia), Paulo Sérgio Almeida Nascimento, 47, foi assassinado a tiros, na madrugada desta segunda-feira (12), em Barcarena, nordeste do Pará.

Nascimento era uma das lideranças comunitárias que denunciava, por meio da associação, crimes ambientais ocorridos na região. Ele era contra a atuação da refinaria Hydro Alunorte, que no mês passado, foi responsável por vazamento de bauxita contaminando o rio Pará. Autoridades locais monitoram a situação das comunidades atingidas pelo desastre ambiental.

O assasinato de Nascimento está sendo apurado pela Delegacia de Vila dos Cabanos e ainda não há pista sobre o paradeiro dos criminosos. Até agora nenhum suspeito foi detido.

Leia mais: 

Segundo a polícia, Nascimento tinha ido usar o banheiro, que fica do lado de fora da casa dele, durante a madrugada quando foi abordado por dois homens e assassinado a tiros. Testemunhas relataram à polícia que homens em motos estavam rondando o imóvel dele.

O advogado da Cainquiama, Israel Moraes, destacou que a vítima não tinha inimigos, mas enfatizou que membros da diretoria da entidade estavam recebendo ameaças de mortes feitas por supostos policiais que fazem a segurança particular da refinaria.

"Ele era dos mais atuantes na comunidade e não tinha inimigos a não ser da Hydro Alunorte. Policiais que fazem segurança privada para a refinaria foram os mesmos que invadiram a sede da associação", destacou o advogado.

O Ministério Público Estadual já havia pedido proteção à vítima e outros líderes da associação que sofreram ameaças de mortes, mas a solicitação foi negada pela Segup (Secretaria de Segurança Pública).

Em janeiro deste ano, o promotor de Justiça Militar, Armando Brasil, protocolou o pedido de reforço na segurança das lideranças depois que a sede da associação foi invadida por dois seguranças armados se dizendo policiais, mas teve o pedido negado.

O promotor de Justiça não quis atrelar o assassinato de Nascimento às investigações que ocorrem sobre a refinaria.

Em nota, o MP destaca que caso as investigações apontem o envolvimento de militares no crime, eles serão denunciados e sujeitos às sanções na Justiça Militar.

A Hydro Alunorte afirmou que "condena firmemente qualquer ação dessa natureza e repudia qualquer tipo de associação entre suas atividades e ações contra moradores e comunidades de Barcarena". A indústria destacou ainda que a empresa "reforça que sua relação com a comunidade é pautada (...) pelo respeito à legislação de proteção aos direitos do cidadão e do meio ambiente."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos