PUBLICIDADE
Topo

Meio Ambiente

Filha de Chico Mendes diz que discurso de Bolsonaro incentivou queimadas

Elenira Mendes, 34, recebeu do pai, Chico Mendes, a missão de se formar em direito para defender "as pessoas da floresta" - Angela Peres
Elenira Mendes, 34, recebeu do pai, Chico Mendes, a missão de se formar em direito para defender "as pessoas da floresta" Imagem: Angela Peres

Carlos Madeiro

Colaboração para o UOL, em Maceió

30/08/2019 04h00

Filha de um dos maiores símbolos de luta pela preservação da Amazônia, o ambientalista Chico Mendes, Elenira Mendes, 34, fez um apelo, em entrevista ao UOL, para que a sociedade ouça a mensagem deixada pelo seringueiro assassinado dentro de casa, em Xapuri (AC), no dia 22 de dezembro de 1988.

"Devem ser perpetuadas a voz e as mensagens deixadas por meu pai. Elas devem ecoar com mais força no peito daqueles que ainda sonham e acreditam que ainda é tempo de mudança", disse ela, citando que "os propósitos" das queimadas hoje são as mesmas da época em que seu pai era vivo.

Chico fez um pedido à filha Elenira, então aos 4 anos, dois dias antes de morrer: que ela se tornasse advogada para defender "as pessoas da floresta".

Hoje formada em direito, Elenira acredita que o aumento das queimadas este ano tem relação direta com o discurso de exploração desregulada da Amazônia do presidente Jair Bolsonaro (PSL). "A redução na área de fiscalização também foi um dos fatores preponderantes", diz.

Para ela, se estivesse vivo, Chico estaria hoje com sua luta contra o desmatamento e exploração sustentável da área. "Certamente estaria na sua simplicidade e pacificidade, mais determinação e ousadia, denunciando e apontando os reais culpados pela destruição da Amazônia."

Leia a entrevista:

Temos três décadas sem o seu pai na Amazônia, e a luta pela preservação ambiental ainda parece longe de ser vencida. A mensagem de seu pai se perdeu nesse tempo?

Não se trata de perder a mensagem, mas perceber que ela está mais viva do que nunca. A capacidade que ele teve em lutar contra um sistema de "desenvolvimento" que em nada colaborava com a preservação da Amazônia ou trazia qualidade de vida para quem nela vive. Devem ser perpetuadas a voz e as mensagens deixadas por meu pai. Elas devem ecoar com mais força no peito daqueles que ainda sonham e acreditam que ainda é tempo de mudança.

Por que você acha que houve aumento nas queimadas este ano?

Todos os anos enfrentamos os mesmos problemas ocasionados pelas queimadas.

Este foi um ano diferente, acredito, pelo fato de termos como presidente alguém que, desde a campanha eleitoral, já deixava claro em seu discurso que seria permissivo com os desmatamentos e queimadas.

A redução na área de fiscalização também foi um dos fatores preponderantes.

Se ele estivesse aqui hoje, o que você acha que estaria fazendo?

Certamente estaria na sua simplicidade e pacificidade, mais determinação e ousadia "empatando" em todas as áreas de grande destruição, denunciando e apontando os reais culpados pela destruição da Amazônia.

Quem desmata hoje são os mesmos daquela época?

A proposta e o propósito certamente são os mesmos.

Caso tivéssemos ouvido a mensagem do seu pai, como estaria a Amazônia hoje?

Certamente já teríamos um avanço significativo em desenvolvimento. A ideia de desenvolvimento e preservação de mãos dadas de forma mais consolidada.

Trinta anos já temos sem meu pai, e todos os anos em que ele e o movimento dos seringueiros e índios —a aliança dos povos da floresta— buscam alternativas sólidas para que exista. Soluções para problemas que ainda enfrentamos hoje.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do informado no primeiro parágrafo, Chico Mendes foi assassinado no dia 22 de dezembro de 1988, e não no dia 20. O texto foi corrigido.

Meio Ambiente