Topo

Com quase 31 mil focos, agosto termina com triplo de queimadas na Amazônia 

23.ago.2019 - Queimadas na Área de Proteção Ambiental Jamanxim, em Novo Progresso (PA) - Victor Moriyama / Greenpeace
23.ago.2019 - Queimadas na Área de Proteção Ambiental Jamanxim, em Novo Progresso (PA) Imagem: Victor Moriyama / Greenpeace

Carlos Madeiro

Colaboração para o UOL, em Maceió 

01/09/2019 13h07

O mês de agosto terminou com 30.901 focos de queimadas registrados na Amazônia. Os dados são do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) e mostram que o número de incêndios foi quase três vezes a medição de agosto de 2018 —quando foram registrados 10.421 focos. Em termos percentuais, a alta foi de 196%.

O total de focos superou em 20% a média histórica de queimadas para os meses de agosto, que era de 25 mil. A medição média ocorre desde 1998, mas a partir de 2011 o país vinha seguindo uma tendência de registros abaixo da média histórica.

Para os meses de agosto, 2019 registrou o maior número desde 2010, quando foram 45.018 focos.

No ano, a Amazônia já contabiliza 46.825 focos de queimadas, o que representa 51% do total de todos os focos registrados no país em 2019.

O Pará foi o estado com mais queimadas registradas, com 10.185 focos. A cidade paraense de Altamira liderou o ranking dos municípios, com 2.932 casos no ano.

Com exceção da caatinga, todos os demais biomas do país registraram alta em número de queimadas em relação a agosto do ano passado. No cerrado, com o segundo maior número de incêndios, foram 12.906 focos, 61% a mais que os registrados em agosto do ano passado.

Segundo especialistas, as queimadas na Amazônia são a parte final do processo de desmatamento. A maioria das áreas são preparadas, após os incêndios, para pastos. Nos últimos 12 meses, as cicatrizes de queimadas responderam por 32% de toda área desmatada ou degradada da Amazônia.

Queimadas e desmatamento: a crise na Amazônia em números

UOL Notícias

Queimadas em agosto na Amazônia ano a ano

2010 - 45.018
2011 - 8.002
2012 - 20.687
2013 - 9.444
2014 - 20.113
2015 - 20.471
2016 - 18.340
2017 - 21.244
2018 - 10.421
2019 - 30.901

Fonte: Inpe

Errata: o texto foi atualizado
DIferentemente do informado no segundo parágrafo do texto, desde 2011 o Brasil vinha seguindo uma tendência de registros de focos de incêndio abaixo da média histórica, não acima. A informação foi corrigida.

Mais Meio Ambiente