PUBLICIDADE
Topo

Ativistas marcham amanhã em Madri para pressionar líderes da COP25

Evento da ONU na Espanha discute a crise climática mundial e é palco de diversas manifestações - Susana Vera/Reuters
Evento da ONU na Espanha discute a crise climática mundial e é palco de diversas manifestações Imagem: Susana Vera/Reuters

Da AFP, em Madri (Espanha)

05/12/2019 14h41

Milhares de ativistas de todo mundo vão marchar amanhã em Madri para exigir uma ação urgente diante da crise climática dos líderes reunidos na COP25, a conferência anual da ONU sobre o clima.

À margem da cúpula, a manifestação em Madri será a principal, embora outra também esteja marcada em Santiago do Chile. O presidente Sebastián Piñera desistiu de sediar a reunião das Nações Unidas em razão da revolta social que abala o país.

Sob o lema "o mundo acordou para a emergência climática", a marcha de Madri começará na estação de Atocha às 18h (14h de Brasília).

Símbolo da luta pelo meio ambiente desde que lançou, em agosto de 2018, sua "greve escolar" que impulsiona o movimento global "Sexta-feira pelo futuro", Greta Thunberg estará presente. A jovem sueca dará uma conferência às 16h30 (12h30 de Brasília).

Sem viajar de avião, devido a seu impacto ambiental, Greta foi de veleiro participar de uma cúpula da ONU sobre o clima em Nova York e depois para a COP25 anunciada no Chile. Com a mudança de local, teve que pegar um catamarã para fazer o caminho inverso.

Depois de três semanas no mar, a ativista de 16 anos chegou a Lisboa e, de lá, seguiu para Madri.

O ator espanhol Javier Bardem, ativista climático, também participará do protesto, que incluirá discursos e eventos musicais e culturais.

Conferência paralela

"Sabemos que será grande. Esperamos centenas de milhares pedindo ações urgentes", disse um porta-voz da mobilização, Pablo Chamorro.

A marcha de sexta-feira quer ser um "grande momento global", afirmou Estefanía González, porta-voz da Sociedade Civil para Ação Climática (SCAC), que representa mais de 150 grupos chilenos e internacionais.

"Venho do Chile, um país onde um abacateiro tem mais direito à água do que uma pessoa", criticou.

Em função da desigualdade social e econômica, a crise no Chile está "diretamente relacionada à crise ambiental", apontou González, referindo-se aos maiores protestos no país desde o fim da ditadura de Augusto Pinochet, há quase 30 anos.

"Hoje, a ação climática se traduz em equidade social. Não é possível ter equidade social sem a equidade ambiental", afirmou o ativista.

A SCAC é um dos organizadores da Cúpula Social para o Clima, uma conferência paralela à COP25 que vai durar uma semana, a partir deste sábado, e incluirá centenas de eventos e workshops.

Grupos indígenas terão presença garantida, pois são "os primeiros afetados pelas mudanças climáticas", nas palavras de Juan Antonio Correa, do coletivo Minga Indígena.

"As práticas tradicionais e históricas e o relacionamento que os povos indígenas têm com a Mãe Terra são uma alternativa e é a maneira pela qual toda a sociedade moderna pode lidar com essa crise climática", completou.

No manifesto da marcha, os convocadores enviam uma mensagem clara aos representantes dos quase 200 signatários do Acordo de Paris reunidos até 13 de dezembro em Madri.

"Exigimos que os governos participantes da COP25 reconheçam que a atual inação climática e a ambição insuficiente que refletem os compromissos mais ambiciosos dos países nos levarão a um aquecimento global desastroso por toda vida", disseram.

Direito e Certo: COP25

Band Terra Viva

Meio Ambiente