PUBLICIDADE
Topo

Meio Ambiente

Conteúdo publicado há
2 meses

3º mês de julho mais quente da história mostra avanço do aquecimento global

Incêndio coloca residências em risco na Ilha de Évia, na Grécia - Reprodução/Redes Sociais
Incêndio coloca residências em risco na Ilha de Évia, na Grécia Imagem: Reprodução/Redes Sociais

Colaboração para o UOL, em Santos

05/08/2021 13h42

O mês passado foi um dos julhos mais quentes já registrados na história, atrás apenas de 2019 e 2016, alertaram hoje cientistas da União Europeia (UE). Foi o terceiro julho mais quente do mundo e o segundo mais quente da Europa.

Esse é o mais recente marco em uma tendência de aquecimento de longo prazo, que classificou os últimos sete anos como os mais quentes já registrados, à medida que as emissões de gases de efeito estufa mudam o clima do planeta.

Globalmente, julho de 2021 foi 0,33°C mais quente do que a média de 1991-2020 para o mês, de acordo com Copernicus, Serviço de Mudanças Climáticas da União Europeia. Com uma temperatura semelhante à de julho de 2020, os dois anos se tornaram o terceiro julho mais quente da história.

Julho de 2021 foi mais frio em apenas 0,07°C em comparação com o mês mais quente de julho de 2019; e apenas 0,03°C em comparação com julho de 2016.

"Quando olhamos para as temperaturas globais, há oscilações de ano para ano ou mesmo de mês para mês", disse à Reuters Freja Vamborg, cientista sênior do Copernicus.

"Mas, em última análise, o que vemos é uma tendência de aquecimento global na maioria das regiões do mundo".

Os primeiros registros do Copérnico datam de 1950, mas são verificados de forma cruzada com outros conjuntos de dados que remontam a meados do século XIX.

Várias regiões experimentaram eventos climáticos extremos no mês passado - e o consenso entre os cientistas é de que o aquecimento global está tornando as ondas de calor cada vez mais prováveis

Cientistas do clima dizem que o aumento da temperatura global acima da média pré-industrial - atualmente em torno de 1,2ºC - leva a chuvas intensas porque o ar mais quente retém mais umidade, o que significa que mais água é liberada.

"Quando temos chuvas fortes, a atmosfera é quase como uma esponja - você aperta uma esponja e a água escorre", explicou Johannes Quaas, professor de Meteorologia Teórica da Universidade de Leipzig, ao The Economic Times.

De acordo com os cientistas, um aumento de 1ºC na temperatura média global aumenta a capacidade da atmosfera de reter água em 7%. Isso significa que a chance de ocorrerem eventos de chuvas fortes seja ainda maior.

A geografia local e os sistemas de pressão atmosférica estão entre os outros fatores que determinam como áreas específicas serão afetadas.

Desastres naturais mais frequentes

Mais de 300 pessoas perderam a vida depois que uma enchente desastrosa atingiu o centro da China em 4 de agosto, incluindo 14 que morreram após ficarem presas em uma linha de metrô inundada.

O calor recorde nos Estados Unidos e Canadá, que começou em junho, matou centenas de pessoas e gerou incêndios florestais. Na China, Bélgica e Alemanha, chuvas extremas causaram inundações mortais.

O norte tropical da Austrália registrou sua maior temperatura máxima diária no mês passado, enquanto as temperaturas no norte da África foram mais altas do que o normal "quase em todos os lugares", alertou o Copernicus.

Tanto a Turquia quanto a Grécia estão lutando contra incêndios florestais que se seguiram a uma onda de calor. O número de mortos em incêndios florestais no sudoeste da Turquia aumentou para oito.

Na Grécia, os bombeiros estão tentando conter um incêndio que já destruiu casas e hospitalizou mais de uma dezena de pessoas. Milhares foram forçados a fugir de suas casas em Atenas.

Ralf Toumi, co-diretor do Instituto Grantham para Mudanças climáticas, do Imperial College London, disse que as recentes explosões de calor recorde não são nenhuma surpresa, dado o padrão de longo prazo de aumento das temperaturas.

"Isso é como um cassino constante em que estamos jogando, e estamos apenas escolhendo os números altos de novo e de novo", disse ele.

Meio Ambiente