PUBLICIDADE
Topo

Meio Ambiente

Conteúdo publicado há
1 mês

Concentração de gases do efeito estufa bateu recorde em 2020, diz ONU

A concentração de dióxido de carbono (CO2), o mais abundante dos gases de efeito estufa, atingiu 413,2 partes por milhão (ppm), em 2020 - iStock
A concentração de dióxido de carbono (CO2), o mais abundante dos gases de efeito estufa, atingiu 413,2 partes por milhão (ppm), em 2020 Imagem: iStock

Em Genebra

25/10/2021 08h41

As concentrações de gases de efeito estufa na atmosfera atingiram um novo recorde no ano passado - disse a OMM (Organização Meteorológica Mundial), hoje, dias antes da conferência climática COP26.

"A abundância de gases de efeito estufa que retêm o calor na atmosfera voltou a atingir um novo recorde no ano passado, e a taxa de aumento anual registrada foi superior à média do período 2011-2020", alerta o boletim da OMM.

Em seu relatório, a agência da ONU indica que já se evidencia "a transição de uma parte da Amazônia de sumidouro a fonte de carbono".

"É alarmante e está vinculado ao desmatamento na região", afirmou o secretário-geral da OMM, professor Petteri Taalas, em entrevista coletiva.

De acordo com esta agência da ONU, a desaceleração econômica causada pela covid-19 "não teve qualquer efeito evidente sobre os níveis atmosféricos dos gases de efeito estufa, nem em suas taxas de aumento, embora tenha ocorrido uma redução temporária das novas emissões".

A OMM informou que as emissões não param e que "a temperatura mundial continuará subindo".

Como o dióxido de carbono (CO2) é um gás de vida longa, "o nível de temperatura observado hoje persistirá por várias décadas, ainda que as emissões sejam rapidamente reduzidas até alcançar o nível de zero líquido", acrescentou.

A conferência da ONU sobre mudança climática CO26 começa no próximo domingo, 31 de outubro, em Glasgow, e vai até 12 de novembro.

"O Boletim da OMM sobre os gases de efeito estufa envia uma mensagem científica contundente aos negociadores em matéria de mudança climática", diz o secretário-geral da agência, citado no comunicado.

"Caso o ritmo atual de aumento das concentrações de gases de efeito estufa se mantenha, o aumento da temperatura no final deste século vai superar, de longe, a meta estabelecida em virtude do Acordo de Paris de limitar o aquecimento global a +1,5°C, ou a +2°C acima dos níveis pré-industriais", acrescentou.

"Se continuarmos usando os recursos fósseis de maneira ilimitada, poderemos alcançar um aquecimento de em torno de 4°C até o final do século", alerta o professor Taalas.

Concentração similar há milhões de anos

A concentração de dióxido de carbono (CO2), o mais abundante dos gases de efeito estufa, atingiu 413,2 partes por milhão (ppm), em 2020, e está em 149% dos níveis pré-industriais.

O boletim especifica que cerca de metade do CO2 emitido pelas atividades humanas permanece na atmosfera, enquanto a outra metade é absorvida pelos oceanos e ecossistemas terrestres.

"A última vez que se registrou na Terra uma concentração de CO2 comparável foi entre três e cinco milhões de anos atrás. Nesta época, a temperatura era de 2°C a 3°C mais quente, e o nível do mar, entre 10 e 20 metros acima do atual, mas não havia 7,8 bilhões de pessoas no planeta", explicou Taalas.

No caso do metano (CH4) e do óxido nitroso (N2O), suas concentrações foram equivalentes a 262% e 123%, respectivamente, dos níveis de 1750, ano escolhido para representar o momento em que a atividade humana passou a alterar o equilíbrio natural da Terra.

Cerca de 40% do metano é emitido por fontes naturais (como os pântanos), enquanto os demais 60% são têm, origem em atividades humanas, como pecuária e cultivo de arroz.

"Devemos transformar nossos sistemas industriais, energéticos e de transporte e todo nosso estilo de vida. As mudanças necessárias são acessíveis do ponto de vista econômico, e viáveis, do ponto de vista técnico. Não há tempo a perder", advertiu Taalas.

Meio Ambiente