PUBLICIDADE
Topo

Meio Ambiente

Conteúdo publicado há
1 mês

Ancestrais da girafa podem ter desenvolvido pescoço para lutar, diz estudo

Reuters
Imagem: Reuters

Do UOL, em São Paulo

02/07/2022 10h45Atualizada em 02/07/2022 10h45

Um estudo publicado na revista Science indica que brigas podem ter impulsionado a evolução do pescoço da girafa. Teorias evolutivas até agora dizem que os animais competiam por comida e desenvolveram sua altura como alternativa para se alimentar melhor.

As informações foram divulgadas pelo The New York Times. O estudo de paleontólogos descreve o Discokeryx xiezhi, um ancestral da girafa, como tendo uma proteção semelhante a um capacete e vértebras volumosas no pescoço. O Discokeryx se adaptou para absorver e provocar colisões para conquistar companheiros e derrotar rivais.

Isso mostra que a evolução da girafa não está apenas alongando o pescoço. Discokeryx vai em uma direção totalmente diferente.
Jin Meng, paleontólogo do Museu Americano de História Natural e coautor do novo estudo

A cabeçada é uma forma antiga e difundida de resolução de conflitos. Dinossauros como o Paquicefalossauro tinham crânios robustos, e bater cabeças continua sendo comum em carneiros selvagens, camaleões e até baleias.

Meng e seus colegas descobriram os fósseis no noroeste da China na área conhecida como Bacia de Junggar. Cerca de 17 milhões de anos atrás, o local era uma extensão de savanas e florestas que abrigavam uma variedade de grandes mamíferos, como elefantes, rinocerontes de chifres curtos e cães ursos.

Girafas podem ter o pescoço comprido para lutarem, não apenas para se alimentarem - Y. WANG AND X. GUO - Y. WANG AND X. GUO
Imagem: Y. WANG AND X. GUO

Como foram encontrados os fósseis

Em 1996, Meng encontrou o primeiro pedaço de crânio de Discokeryx. Ele poderia dizer que era uma caixa craniana de mamífero, mas o topo estava achatado. Sem mais do esqueleto do animal, os paleontólogos se referiram a ele como a "besta estranha".

Nos últimos anos, mais material fossilizado —como dentes e fragmentos de mandíbula —começaram a surgir na Bacia de Junggar, ajudando a identificar o animal. Segundo Meng, os dentes e a estrutura do ouvido interno lembravam as girafas modernas.

Eles determinaram que Discokeryx foi um dos primeiros grafites, um grupo ancestral de mamíferos ungulados que deram origem às girafas.

Ainda segundo o estudo, os pesquisadores dizem que Discokeryx era adepto do combate corpo a corpo. A equipe escaneou e reconstruiu o crânio e o pescoço de Discokeryx em três dimensões. Eles então compararam com as cabeças modernas: bois almiscarados, ovelhas da montanha argali e ovelhas azuis do Himalaia.

Usando modelos de computador, eles deduziram que o crânio de Discokeryx absorvia mais golpes e amortecia melhor seu cérebro do que suas contrapartes modernas. A equipe estimou que as colisões entre os Discokeryxes eram provavelmente duas vezes mais fortes do que os bois almiscarados, que se chocam a quase 40 quilômetros por hora.

A série de articulações do pescoço entrelaçadas do Discokeryx ainda não foi descoberta em nenhum outro vertebrado, vivo ou morto, dando ao animal o equipamento de bater cabeça mais otimizado já descoberto, de acordo com os pesquisadores.

"Este animal é um exemplo extremo do uso de cabeçadas como ferramenta de luta", disse Meng.

Segundo Nikos Solounias, paleontólogo do Instituto de Tecnologia de Nova York que estuda a evolução das girafas, o fato do pescoço ser usado em lutas não é particularmente surpreendente, mas o estilo de combate das girafas modernas e do Discokeryx é muito diferente.

As girafas "batem de lado com a cabeça e o pescoço", em vez de de frente, disse Solounias ao The New York Times.

Meio Ambiente