Filho de Bolsonaro aumenta patrimônio em 432% em 4 anos

Carlos Eduardo Cherem

Colaboração para o UOL, em Belo Horizonte

  • Ueslei Marcelino 7.mar.2018 /Reuters

    Flávio Bolsonaro (na frente) teve aumento de 55% no patrimônio; Eduardo, de 432%

    Flávio Bolsonaro (na frente) teve aumento de 55% no patrimônio; Eduardo, de 432%

O candidato à Presidência da República pelo PSL, Jair Bolsonaro, 63, está no terceiro casamento e tem cinco filhos. Três são políticos e dois deles são candidatos nas eleições de outubro: Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), 37, candidato a senador pelo Rio de Janeiro, e o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), 34, candidato à reeleição.

Os três políticos da família tiveram uma evolução patrimonial elevada nos últimos anos, de acordo com a declaração de bens apresentada ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Jair Bolsonaro ampliou os bens em 168% desde 2006; Eduardo, 432% desde 2014, e Flávio, 55% desde 2010. Os integrantes da família ampliaram o patrimônio basicamente com a aquisição de imóveis: casas e apartamentos. A reportagem do UOL entrou em contato com os políticos e também com o PSL, mas não obteve retorno até a publicação.

Eleito pela primeira vez deputado em 2014, Eduardo Bolsonaro declarou à Justiça Eleitoral, naquele ano, patrimônio de R$ 205 mil, o equivalente a R$ 262 mil hoje (em valores corrigidos pelo IPCA, índice oficial de inflação). Neste ano, o candidato declarou possuir bens que totalizam R$ 1,395 milhão, expansão de 432% no período.

Reprodução/TSE
Declaração de Eduardo Bolsonaro ao TSE

Há quatro anos, Eduardo Bolsonaro declarou ser dono de apenas dois bens: um apartamento (R$ 160 mil) e um veículo (R$ 45 mil). Agora, o patrimônio do parlamentar ainda inclui depósitos bancários, aplicações financeiras e um apartamento de R$ 1 milhão.

Já o deputado estadual Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), quando eleito pela primeira vez em 2010 para a cadeira que ocupa na Assembleia Legislativa fluminense, apresentou à Justiça Eleitoral um patrimônio de R$ 690,978 mil, o equivalente a R$ 1,124 milhão em valores de hoje. Este ano, o candidato ao Senado apresentou patrimônio de R$ 1,742 milhão, um montante 55% maior.

O patrimônio declarado à Justiça Eleitoral do candidato a presidente pelo PSL aumentou 168% desde 2006, quando reelegeu-se deputado federal pelo Rio de Janeiro, de acordo com os dados disponibilizados pelo TSE.  O patrimônio de Jair Bolsonaro (PSL-RJ) pulou de R$ 433 mil, o equivalente a R$ 851 mil hoje, para R$ 2,286 milhões. Os bens do deputado apresentados este ano à Justiça incluem cinco casas no valor de R$ 1,384 milhão. Em 2006, Jair Bolsonaro apresentou somente um sala no valor de R$ 73 mil.

Reprodução/TSE
Declaração de Flávio Bolsonaro ao TSE

No entanto, na comparação com 2014, o valor apresentado caiu. À época, ele afirmou ter R$ 2,6 milhões (em valores corrigidos pela inflação). Ou seja, o patrimônio do candidato caiu cerca de R$ 300 mil.

Em janeiro deste ano, a Folha de S.Paulo revelou que os três Bolsonaros com mandatos de deputado são donos de 13 casas e apartamentos em áreas nobres do Rio de Janeiro, avaliados em pelo menos R$ 15 milhões, que registram preço de aquisição abaixo do valores praticados no mercado imobiliário do Rio de Janeiro.

De acordo com dados do TSE, Bolsonaro é o sétimo presidenciável com maior patrimônio. Veja os bens declarados pelos presidenciáveis:

  1. João Amoêdo (Novo): R$ 425 milhões
  2. Henrique Meirelles (MDB): R$ 377 milhões
  3. João Goulart Filho (PPL): R$ 8,6 milhões
  4. Luiz Inácio Lula da Silva (PT): R$ 7,9 milhões
  5. Eymael (DC): R$ 6,1 milhões
  6. Alvaro Dias (Podemos): R$ 2,9 milhões
  7. Jair Bolsonaro (PSL): R$ 2,3 milhões
  8. Ciro Gomes (PDT): R$ 1,6 milhão
  9. Geraldo Alckmin (PSDB): R$ 1,3 milhão
  10. Marina Silva (Rede): R$ 118 mil
  11. Vera Lúcia (PSTU): R$ 20 mil
  12. Guilherme Boulos (PSOL): R$ 15,4 mil
  13. Cabo Daciolo (Patriota): já apresentou o registro, mas não há relação de bens

Outro lado

O UOL ligou para os telefones celulares de Jair e Eduardo Bolsonaro, na sexta-feira (17) e nesta segunda-feira (20), mas os aparelhos estavam "desligados ou fora de área".

A reportagem também entrou em contato nesta segunda-feira com as assessorias de imprensa dos deputados Jair e Eduardo Bolsonaro, na Câmara dos Deputados, e foi informada que, por conta do período eleitoral, o PSL comentaria a questão.

A reportagem ligou diversas para os telefones que constam no site do PSL nesta segunda-feira (20), mas as chamadas não foram atendidas.

O gabinete do deputado estadual Flávio Bolsonaro, na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, também foi contatado nesta segunda-feira (20), e ficou de retornar para comentar a questão.

Após a publicação da reportagem, Eduardo Bolsonaro postou um vídeo em suas redes sociais negando irregularidades. "Na verdade, minha evolução patrimonial foi grande. Meu salário depois que eu fui eleito aumentou e muito. Isso tudo se deve à compra de um apartamento, que eu financiei na Caixa Econômica Federal", disse.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos