Vídeo de fraude em urna divulgado por Flávio Bolsonaro é falso, diz TRE-MG

Téo Takar e Marcelo Freire

Do UOL, em São Paulo

O TRE-MG (Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais) investigou um vídeo divulgado no twitter de Flávio Bolsonaro e verificou que se trata, na verdade, de uma montagem.

No vídeo, um eleitor filmou uma urna supostamente com problemas. Quando o eleitor digita o número 1, a tela da urna mostra a imagem do candidato à Presidência pelo PT, Fernando Haddad, número 13.

"Estou preocupado. Uma enxurrada de gente está reclamando de problema na votação. Não consegue chegar até o presidente, conclui a votação antes de chegar ao último que é o presidente. Marquei o TSE porque quero saber se é verdade. Não botei mais porque não quis fazer alarde", disse o candidato ao chegar no local de seu voto, em Vila Isabel, zona norte do Rio.

Um perito do TRE-MG demonstrou, utilizando um programa de edição de imagens, como foi feita a montagem.

"Há dois barulhos de cliques [do teclado]. Nesse momento, quando a pessoa está digitando, a imagem não mostra o teclado por completo, sugerindo que uma segunda pessoa tenha feito esse segundo clique", explicou.

Além disso, a imagem com o candidato do PT Fernando Haddad foi "plantada" sobre a tela. Há um brilho sobre a tela que não é característico da urna eletrônica, afirmou o especialista em edição de imagens.

Após a Justiça Eleitoral desmentir o vídeo, Flávio Bolsonaro agradeceu. "Agradeço ao @TSEjusbr pelo retorno da minha denúncia. Como cidadão exijo o esclarecimento de qualquer fato encaminhado pelos eleitores. Se houvesse o voto impresso nada disso estaria acontecendo. Obrigado!", escreveu em sua conta no Twitter.

TSE apurou denúncia

Mais cedo, a presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), ministra Rosa Weber, declarou que o Tribunal estava apurando a denúncia de suposta fraude em uma urna eletrônica apontada por Flávio Bolsonaro, candidato ao Senado pelo PSL no Rio de Janeiro e filho do candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL).

"A informação acabou de chegar ao TSE sobre a ocorrência desse vídeo. A Polícia Federal e o Ministério Público já foram acionados para que essa urna seja constatada, retirada e auditada. Se estiver traduzindo alguma irregularidade que seja explícita, será esclarecido e a urna será retirada", disse a ministra em entrevista coletiva no fim da manhã deste domingo (7).

Leia também:

"Não sei sequer se essa urna existe, não sei sequer se aconteceu, não sei se a imagem corresponde à realidade. Não vou ficar especulando. Se for verificada qualquer irregularidade, vamos atuar com rigor", afirmou Rosa Weber.

Mais de 300 urnas foram trocadas pela manhã

No período da manhã, 310 urnas eletrônicas apresentaram erros e precisaram ser substituídas. Elas representam 0,06% do total de 544 mil aparelhos.

Rosa Weber reafirmou sua confiança na segurança das urnas eletrônicas brasileiras. " Sobre nosso sistema eletrônico de votação, apuração e totalização, reafirmo minha total confiança nas urnas eletrônicas."

Combate às fake news

A presidente do TSE também fez um alerta sobre o grande volume de notícias falsas ("fake  news") circulando nas redes sociais e aplicativos de mensagens. "Sabemos que as imagens, os sons, o que os nossos olhos veem nem sempre corresponde ao que realmente acontece."

Rosa Weber disse que "as fake news eram o assunto do momento" e que a primeira atitude do TSE para lidar com isso foi estudar o fenômeno ao longo dos últimos anos e desenvolver pesquisas sobre a influência da internet nas eleições e o uso de robôs na disseminação de notícias falsas.

"O TSE está atento a isso. Não é um fenômeno de fácil compreensão e não é um problema só brasileiro."

Questionada sobre a afirmação do ministro Luiz Fux, seu antecessor na presidência do TSE, de que eleições que fossem comprovadamente influenciadas por fake  news poderiam ser anuladas segundo o Código Eleitoral, Rosa Weber declarou que respeita "a posição pessoal do ministro Fux, mas não é a minha. Vou manifestar minha posição pessoal na hipótese de acontecer algo que leve o TSE a refletir sobre esse tema de tamanha gravidade. Uma coisa é certa: só diante de fatos, ocorrências, é que poderemos fazer uma afirmação a respeito [da possibilidade]".

Filmar ou fotografar a urna é crime

Outro filho de Jair Bolsonaro, o candidato a deputado federal pelo PSL, Eduardo Bolsonaro, pediu em suas redes sociais para que os eleitores gravem e façam filmes ao vivo de seus locais de votação.

O TSE esclareceu que o ato de filmar ou registrar com foto o momento do voto é crime eleitoral. A Lei Eleitoral 4737/65 proíbe que se tire qualquer tipo de foto ou grave vídeos durante a votação, incluindo fotos da urna e selfies na cabine. A lei foi criada com a intenção de se proteger o sigilo do voto, impedindo, por exemplo, que um cidadão tire uma foto para comprovar que votou em determinado candidato.

Eleitor terá que votar em seis nomes; entenda a ordem e prepare a cola

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos