Mourão sugere, e Bolsonaro diz que vai criar o "13º do Bolsa Família"

Do UOL, no Rio

  • Reprodução/Facebook

    Bolsonaro (à dir.) posa para foto ao lado do empresário Luciano Hang

    Bolsonaro (à dir.) posa para foto ao lado do empresário Luciano Hang

O candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL) afirmou nesta quarta-feira (10) que, se eleito, vai criar um "décimo terceiro salário" para os beneficiários do Bolsa Família, programa de assistência social criado pelo partido adversário no segundo turno, o PT de Fernando Haddad.

Na versão do presidenciável, a proposta foi uma iniciativa do seu vice, o general Hamilton Mourão (PRTB).

O militar foi pivô de uma polêmica no primeiro turno depois de criticar publicamente o 13º salário do trabalhador e outros direitos garantidos pela Constituição, que, na visão dele, seriam "jabuticabas" que oneram ainda mais os empregadores no Brasil.

Leia também:

As declarações provocaram uma crise na campanha, e Bolsonaro, até então internado no Hospital Albert Einstein (SP), deu uma bronca no vice em suas redes sociais.

O pesselista explicou, durante transmissão ao vivo ao lado do empresário Luciano Hang, nesta quarta, que a sugestão foi colocada por Mourão ao guru econômico do candidato, Paulo Guedes --cotado para ministro da Fazenda. Guedes teria então dado o aval.

Debates

"Estou anunciando aqui em primeira mão", disse Bolsonaro, para festejo de Hang, dono da Havan e entusiasta da candidatura. "O dinheiro vai sair do combate à roubalheira no Bolsa Família. (...) Você, homem e mulher [que recebem o benefício], vai ter no ano que vem com o décimo terceiro."

Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira (10), em transmissão ao vivo nas redes sociais, que não está fugindo dos debates, e sim "cuidando da saúde".

Segundo ele, a equipe do hospital Albert Einstein o orientou a viajar a São Paulo na semana que vem para uma última avaliação. "Irei a São Paulo na próxima quinta e, com certeza, vão me liberar", declarou o candidato.

A projeção da campanha do concorrente do PSL é que ele esteja apto a comparecer aos dois últimos debates antes da votação do segundo turno, da Record e da Globo. O pleito ocorrerá no dia 28 de outubro.

"Eu vou debater com o Haddad ou com o Lula? Quero saber. Ele [Haddad] vai estar com ponto [escuta] diretamente de Curitiba?", ironizou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos