PUBLICIDADE
Topo

Política

Com voto de Toffoli, maioria no STF condena Jefferson também por lavagem de dinheiro

Roberto Jefferson, condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, foi o delator do mensalão - TV Folha
Roberto Jefferson, condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, foi o delator do mensalão Imagem: TV Folha

Fernanda Calgaro*

Do UOL, em Brasília

01/10/2012 15h39Atualizada em 01/10/2012 18h02

O ex-deputado federal Roberto Jefferson (PTB-RJ) foi condenado pela maioria dos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) pelo crime de lavagem de dinheiro. O petebista, delator do mensalão, já havia sido condenado pela maioria por corrupção passiva. Para o ministro, Jefferson dissimulou "com astúcia" os cerca de R$ 4 milhões recebidos do PT. A Procuradoria Geral da República acusa os réus do mensalão de montar um esquema de compra de apoio parlamentar durante o primeiro mandato de Luiz Inácio Lula da Silva.

A maioria veio com o voto do ministro Dias Toffoli. Ele condenou Jefferson também por corrupção passiva, crime pelo qual o ex-deputado já havia sido condenado pela maioria da Corte. "Entendo irrelevantes as alegações da defesa que era autorizada a doação entre partidos", afirmou Toffoli, rechaçando os argumentos da defesa.

O magistrado também votou pela condenação do ex-deputado federal Romeu Queiroz (PTB-MG) por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Entre os petebistas, Toffoli absolveu o ex-tesoureiro da sigla Emerson Palmieri, acusados pelos mesmos crimes que os outros réus do PTB.

O julgamento do mensalão no STF
O julgamento do mensalão no STF
$escape.getHash()uolbr_tagAlbumEmbed('tagalbum','12604+AND+60607', '')

"Todos os depoimentos convergem (no sentido de) que Palmieri sempre os teve como repasses partidários, jamais como produto de vantagem indevida", afirma Toffoli.

Toffoli também votou pela condenação de Valdemar Costa Neto, Bispo Rodrigues e Jacinto Lamas (os três do PL) por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. O ministro, no entanto, absolveu Costa Neto e Lamas da acusação de formação de quadrilha. "Sabiam os parlamentares que os recursos eram destinados ao PL (...), e cuja aceitação implicava no crime de corrupção passiva"

O magistrado também absolveu os réus do PP --Pedro Henry, Pedro Corrêa e João Cláudio Genú-- do crime de formação de quadrilha, assim como fez com Enivaldo Quadrado e Breno Fischberg, ambos da corretora Bônus-Banval. Toffoli inocentou ainda Fischberg da acusação de lavagem de dinheiro.

Quanto ao réu José Borba (então no PMDB-PR, hoje no PP), o ministro votou por condená-lo por corrupção passiva; quanto à lavagem de dinheiro, condenou por uma das imputações (sobre o recebimento de R$ 200 mil) e absolveu das outras.

Clique na imagem e veja como cada ministro já votou no mensalão

  • Arte UOL

Voto de Marco Aurélio e Celso de Mello

O ministro Marco Aurélio Mello votou pela absolvição de todos os réus ligados a partidos da base aliada de Lula da acusação de lavagem de dinheiro. O magistrado, entretanto, condenou nove dos 13 réus ou por corrupção passiva ou formação de quadrilha.

"A lavagem de dinheiro é uma prática escamoteada própria", disse Marco Aurélio. "Não podemos confundir o exaurimento da corrupção com a lavagem de dinheiro. A entrega de numerário que não ocorre à luz do dia (é) própria, ao meu ver, ao crime de corrupção.”

A maioria dos ministros condenou, até agora, 11 réus do mensalão ligados a partidos da base aliada.

Com o voto do ministro Celso de Mello, Emerson Palmeiri, ex-tesoureiro do PTB, e Pedro Henry, deputado federal pelo PP de Mato Grosso, foram condenado pela maioria dos magistrados por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A maior parte dos ministros, no entanto, absolveu Henry da acusação de formação de quadrilha.

30ª sessão do julgamento

O STF deve concluir nesta segunda-feira (1º) o julgamento de 13 réus ligados a partidos da base aliada. Falta, agora, apenas o voto do ministro Ayres Britto  votos sobre estes réus. A sessão desta segunda é a 30ª do julgamento, que completa dois meses amanhã.

Na última quinta, o ex-deputado Roberto Jefferson (PTB) e mais oito réus foram condenados pela maioria dos ministros por receberem dinheiro das empresas do publicitário Marcos Valério. Sobre a sua condenação, Jefferson disse na sexta-feira (28) que não é "vítima de ninguém, a não ser de mim mesmo".

O STF atualmente possui dez ministros –o magistrado indicado para ocupar o 11º lugar, Teori Zavascki, ainda não terminou de ser sabatinado pelo Senado. Para ser condenado pela maioria, cada réu tem que receber seis ou mais votos pela condenação.

No total, 13 réus fazem parte deste trecho do item 6 da denúncia, ora analisado pela Corte.


Cúpula petista

Se houver tempo, ainda hoje o ministro-relator Joaquim Barbosa começará a apresentar o seu voto em relação aos réus do núcleo político acusados de corrupção ativa, incluindo a cúpula petista: o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, o ex-presidente do partido José Genoíno e o ex-tesoureiro Delúbio Soares. Os três respondem ainda por formação de quadrilha. Contra Delúbio pesa também a acusação de peculato (desvio de dinheiro).

Neste subitem da denúncia, também respondem por corrupção ativa Marcos Valério e seus ex-sócios Ramon Hollerbach e Cristiano Paz, além de Rogério Tolentino, advogado de Valério, as ex-funcionárias da agência SMP&B Simone Vasconcellos e Geiza Dias, e o ex-ministro dos Transportes e atual prefeito de Uberaba, Anderson Adauto.

Segundo a denúncia da Procuradoria, Dirceu, Delúbio, Genoino e Sílvio Pereira (ex-secretário-geral do PT que fez acordo de prestação de serviços para não ser incluído na ação do mensalão) montaram uma estrutura que “tinha entre seus objetivos angariar ilicitamente o apoio de outros partidos políticos para formar a base de sustentação do governo federal”. Para fazer o pagamento aos partidos, os acusados teriam usado os serviços de Valério, seus ex-sócios e ex-funcionárias.

O atual item 6 do processo é o quarto a ser analisado pelo Supremo. Antes foram votados o item 3 (contratos das agências de Marcos Valério com o Banco do Brasil e a Câmara dos Deputados), item 5 (gestão fraudulenta do Banco Rural) e item 4 (sobre lavagem de dinheiro). Ainda devem ser analisados os itens 7 (lavagem de dinheiro por parte do PT), 8 (evasão de divisas) e 2 (formação de quadrilha).

*Colaboraram Fabrício Calado e Guilherme Balza, em São Paulo

OUÇA TRECHO DA ENTREVISTA À FOLHA DE S.PAULO EM QUE ROBERTO JEFFERSON MENCIONOU A EXISTÊNCIA DO MENSALÃO PELA PRIMEIRA VEZ

Entenda o dia a dia do julgamento

Política