Presidente do Conselho de Ética acusa Cunha de "golpe"

Ricardo Marchesan

Do UOL, em Brasília

  • Gustavo Lima/Câmara dos Deputados

    O deputado José Carlos Araújo (PR-BA)

    O deputado José Carlos Araújo (PR-BA)

José Carlos Araújo (PR-BA), presidente do Conselho de Ética da Câmara, acusou o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), de tentar um "golpe". 

"Neste ano, a palavra que mais ouvi falar é golpe. Eu não enxergava golpe em lugar nenhum. Mas ontem eu enxerguei, senti e apreciei a tentativa de golpe nesta casa", afirmou Araújo, em reunião do Conselho nesta quarta-feira (30).

A Mesa Diretora da Câmara dos Deputados, comandada por Cunha, aprovou na terça-feira (29), um projeto de resolução que altera a composição de comissões, depois que foi encerrado o período em que os deputados podem trocar de partido.

A medida ainda precisa ser aprovada em plenário, mas José Carlos Araújo afirma que ela atingiria todas as comissões, inclusive o Conselho de Ética, que pode decidir pela cassação do mandato de Cunha.

Atualmente, 11 dos 21 deputados do Conselho são contra Cunha, mas a resolução poderia afetar três deles, que se opõem a Cunha e trocaram de partidos.

"Esse projeto de resolução figurava com um artigo que excluía o Conselho de Ética da resolução, que foi apresentado aos senhores líderes. Misteriosamente, esse projeto de resolução foi apresentado sem essa ressalva. Ou seja: pega todo mundo", disse Araújo.

Araújo acusou Cunha de "advogar em causa própria". "Tentar de uma forma rasteira, prevalecer do cargo que ocupa para se proteger, isso realmente não é digno de um presidente desta casa", afirmou.

Durante a reunião do conselho, o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS) afirmou que a oposição é contrária à resolução e fará alteração no texto, para que não afete o Conselho de Ética. "Todos os líderes de oposição têm hoje a concordância de que não pode se tocar na composição do Conselho de Ética", disse.

Na terça-feira, Cunha disse que a resolução não atingiria o Conselho de Ética, porque ele tem suas próprias regras.

Testemunhas do processo

O deputado Marcos Rogério (PDT-RO), relator do Conselho de Ética da Câmara, apresentou o plano de trabalho do Conselho de Ética na reunião desta quarta-feira.

Ele listou as testemunhas que deseja ouvir no processo contra o presidente da Câmara Eduardo Cunha. São 19 ao todo, somando as pedidas pelos representantes do Conselho, pela defesa e pelo próprio relator.

O próprio relator afirma, porém, que nem todas devem ser ouvidas. Elas são apenas convidadas, e não convocadas, por isso não têm obrigação de comparecer.

Entre os nomes estão o do próprio Eduardo Cunha e delatores da operação Lava Jato, como Júlio Camargo e Alberto Youssef.

A defesa de Cunha apontou Francisco Rezek,  ministro aposentado do Supremo Tribunal Federal, e dois advogados da Suíça, entre outras testemunhas.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos