PUBLICIDADE
Topo

Política

Disputa pela presidência da Câmara já tem 13 candidatos

Deputado Beto Mansur (PRB-SP) é um dos candidatos - Alan Marques/ Folhapress
Deputado Beto Mansur (PRB-SP) é um dos candidatos Imagem: Alan Marques/ Folhapress

Leandro Prazeres

Do UOL, em Brasília

12/07/2016 17h13Atualizada em 12/07/2016 17h19

Chega a 13 o número de candidatos à presidência da Câmara. Na tarde desta terça-feira (12), foram protocoladas mais duas candidaturas: Beto Mansur (PRB-SP) e Esperidião Amin (PP-SC). A eleição para o "mandato-tampão" de presidente da Câmara será realizada nesta quarta-feira (13).

Além de Mansur e Amin, já estão inscritos para a disputa os deputados: Rogério Rosso (PSD-DF), Fausto Pinato (PP-SP), Carlos Gaguim (PTN-TO), Marcelo Castro (PMDB-PI), Carlos Manato (SD-ES), Fernando Giacobo (PR-PR), Cristiane Brasil (PTB-RJ), Heráclito Fortes (PSB-PI), Fábio Ramalho (PMDB-MG), Luiza Erundina (PSOL-SP) e Evair Vieira de Melo (PV-ES).

A expectativa é de que outras candidaturas sejam protocoladas até as 12h de quarta-feira, prazo final para a formalização dos nomes para a disputa. As candidaturas de nomes como Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Júlio Delgado (PSB-MG) são esperadas.

O novo presidente da Câmara vai cumprir um “mandato-tampão” até fevereiro de 2017. A eleição foi convocada pelo presidente interino, Waldir Maranhão (PP-MA), após a renúncia do ex-presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), na semana passada.

Racha entre partidos

A eleição do novo presidente da Câmara está acentuando divisões internas em partidos e em blocos partidários. No PMDB, por exemplo, a bancada do partido na Câmara definiu que o candidato oficial da legenda será o ex-ministro da Saúde Marcelo Castro. Além dele, outro integrante da sigla também lançou candidatura, Fábio Ramalho (MG). Ele deverá conversar com integrantes do partido para decidir se mantém ou retira sua candidatura.

Independente do posicionamento da bancada do PMDB em torno de Castro, a definição de uma chapa própria para a presidência da Câmara desagradou o Palácio do Planalto, que seria favorável ao nome de Rogério Rosso

O PT foi outro partido que também enfrenta problemas em relação ao candidato que irá apoiar. Inicialmente, integrantes do partido cogitaram apoiar a candidatura de Rodrigo Maia, mas a decisão não foi bem recebida pela maioria dos parlamentares porque Maia apoiou o impeachment da presidente afastada, Dilma Rousseff (PT)

Política