Vitória "fraquinha" de Temer pode não resistir a 2ª denúncia, diz cientista político

Leandro Prazeres

Do UOL, em Brasília

  • Luis Macedo/Câmara dos Deputados

    Advogado de defesa de Temer, Antonio Mariz de Oliveira (à esq.), e o deputado Carlos Marun (PMDB-MS), um dos principais deputados da "tropa de choque" do governo

    Advogado de defesa de Temer, Antonio Mariz de Oliveira (à esq.), e o deputado Carlos Marun (PMDB-MS), um dos principais deputados da "tropa de choque" do governo

O cientista político e professor titular da UnB David Fleischer afirma que a maioria conquistada pelo presidente Michel Temer (PMDB) nesta quarta-feira (2) tende a não se repetir diante de uma eventual nova denúncia feita pela PGR (Procuradoria-Geral da República) contra ele.

Para Fleischer, a vitória de Temer foi "fraquinha" e a diferença entre os votos a favor e contra o presidente mostra que a coalizão do peemedebista estaria no limite. 

A Câmara dos Deputados aprovou, por 263 votos a favor e 227 contra, a suspensão da denúncia feita pela PGR contra Temer por corrupção passiva no esquema de pagamento de propina por executivos da J&F, grupo que controla a JBS.

O caso foi revelado pela delação de executivos do grupo como o empresário Joesley Batista. Temer nega seu envolvimento no caso.

Para o governo, era preciso que a oposição não conseguisse os 342 votos para que a denúncia fosse encaminhada ao STF (Supremo Tribunal Federal). Com os votos da base aliada, a denúncia foi suspensa e só voltará a tramitar quando Temer perder o foro privilegiado

Para Fleischer, apesar de o governo ter conquistado 263 votos, a diferença de apenas 36 votos para os que votaram pelo prosseguimento da denúncia mostra que o governo tem pouca margem para erro. 

"Foi uma vitória muito fraquinha do governo. Depois de tudo o que gastaram com a liberação de emendas e de cargos para os parlamentares, foi uma diferença muito pequena. Não sei se essa diferença vai resistir se houver uma segunda denúncia", afirmou o cientista político. 

A menção de Fleischer à liberação de cargos e emendas parlamentares faz referência à acusação feita pela oposição de que o governo Temer teria oferecido benesses em trocas de votos.

Fleischer avalia que o apoio dado a Temer se deveu à crença dos deputados de que o presidente pode beneficiá-los agora e que isso pode ajudá-los a se reeleger em 2018.

O professor diz, contudo, que as informações que deverão surgir a partir das delações premiadas do doleiro Lúcio Funaro, apontado como um dos principais operadores do PMDB, e do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) podem "mudar o jogo". 

"Tanto a nova denúncia contra Temer quanto essas delações podem mudar o jogo. Devem surgir informações novas que vão colocar os deputados, novamente, na berlinda. Se ele [Temer] tivesse tido uma vitória com cem votos de diferença, tudo bem. Mas foram menos de 40. É uma margem muito pequena", afirmou. 

Josias: Mesmo vitorioso, Temer sai menor com votação na Câmara

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos