Operação Lava Jato

Juiz da Lava Jato no Rio vira habitué no Twitter e bate boca com internautas: "não fale abobrinhas"

Paula Bianchi

Do UOL, no Rio

  • Leonardo Wen/Folhapress

    12.jun.2017 - O juiz federal Marcelo Bretas recebe a medalha Pedro Ernesto, na Câmara Municipal do Rio de Janeiro

    12.jun.2017 - O juiz federal Marcelo Bretas recebe a medalha Pedro Ernesto, na Câmara Municipal do Rio de Janeiro

Responsável pela 1ª instância da Lava Jato no Rio de Janeiro, o juiz federal Marcelo Bretas tornou-se habitué no Twitter. No microblog desde o começo de outubro, Bretas aderiu tanto à rapidez dos posts --tem escrito diariamente--, quanto aos já tradicionais bate-bocas na rede.

Ao compartilhar uma reportagem citando uma aspa do presidente do PR, Antônio Carlos Rodrigues, preso na terça-feira (28) pela Polícia Federal, em que o ex-ministro afirmava que não iria se submeter "às humilhações do cárcere", defendeu as prisões determinadas por ordem judicial, que vê como "legítima resposta do Estado" a desvios.

A postagem rendeu críticas de internautas, prontamente respondidas pelo juiz. "Quando é possível fundamentar com base na Bíblia, acho que o BR não mudou. Não há imparcialidade se é uma mera escolha moral", disse @cagedefendoria, a quem Bretas desafiou a mostrar uma decisão sua com esse tipo de fundamentação e emendou: "Enquanto isso, não fale abobrinhas." "Juiz, não responda a todo mundo. Não caia em armadilhas", escreveu outro internauta.

O magistrado também aproveita para compartilhar reportagens e dar opiniões. Nesta terça, disse "não ter medo de fazer o seu trabalho". Na semana passada, quando corria julgamento no Supremo Tribunal Federal, defendeu o fim do foro privilegiado.

Bretas também já cobrou o governador Luiz Fernando Pezão (PMDB), elogiou o juiz do STF Luís Roberto Barroso e replicou um comentário do coordenador da força-tarefa da Lava-Jato em Curitiba, Deltan Dellagnol, que havia se solidarizado com o magistrado após Gilmar Mendes, ministro do Supremo, barrar a transferência do ex-governador Sérgio Cabral (PMDB) para um presídio federal.

O juiz havia determinado a medida após ter considerado que houve uma ameaça subliminar do ex-governador durante um depoimento. Gilmar, no entanto, reformou a decisão do juiz.

Apesar de já ter mais de 13 mil seguidores, o juiz acompanha apenas 29 contas, entre elas, o perfil oficial do Papa Francisco e do cantor Lulu Santos, além de sites de notícias e perfis da Justiça Federal e do Ministério Público. Até esta quarta-feira (29), Bretas havia postado ou retuitado 58 mensagens.

Assim como o juiz Sergio Moro, Bretas ganhou projeção com os casos da Lava Jato e tem proferido sentenças mais duras do que as do curitibano. Em agosto, um ato em sua defesa reuniu políticos, juízes e procuradores no Rio, colocando no mesmo lado até os antagônicos grupos "Vem pra Rua" e "Mídia Ninja".

O juiz foi o responsável por determinar a prisão preventiva de Cabral, que completou um ano em novembro, e já o condenou duas vezes -- em uma das ações, da Operação Calicute, condenou o peemedebista a 45 anos e dois meses de prisão contra os 14 anos determinados pelo curitibano em outro processo que corre contra o ex-governador.

Apesar de evitar responder diretamente aos questionamentos sobre sua atuação nos processos que julga, Bretas já defendeu em audiência que dar entrevistas é uma forma de os magistrados prestarem contas à sociedade -- a defesa de Cabral chegou a pedir a sua saída dos casos envolvendo o peemdebista depois da publicação de uma reportagem com Bretas no jornal "Valor Econômico". Agora no Twitter, abriu mão de intermediários.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos