Operação Lava Jato

MPF pede a Moro perícia em HDs de sistema de propinas da Odebrecht

Bernardo Barbosa

Do UOL, em São Paulo

  • Fernando Frazão - 7.jul.2016/Agência Brasil

    O coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol

    O coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol

A força-tarefa da Operação Lava Jato no MPF-PR (Ministério Público Federal no Paraná) pediu ao juiz Sergio Moro nesta quinta-feira (7) a realização de uma perícia no equipamento que armazena uma cópia do sistema Drousys, usado pela Odebrecht para gerenciar o pagamento de propinas.

O pedido foi feito no processo em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é acusado de receber uma propina milionária da Odebrecht na forma de um terreno para o Instituto Lula --nunca usado pela entidade-- e de um apartamento em São Bernardo do Campo (SP) usado há anos pelo petista e sua família. O pagamento seria uma contrapartida a uma suposta atuação de Lula para favorecer a Odebrecht em contratos com a Petrobras.

A defesa de Lula diz que o ex-presidente nunca teve a posse ou a propriedade dos imóveis, menos ainda em contrapartida a uma atuação dele na Petrobras.

A perícia solicitada pelo MPF diz respeito a dois HDs (discos rígidos) e um pen drive por meio dos quais os dados do Drousys foram enviados por autoridades suíças. Parte do sistema estava armazenada em servidores no país.

Os procuradores justificam o pedido dizendo que o material "guarda relação direta" com a perícia nos dados do Drousys determinada por Moro em setembro. Entre os objetivos do procedimento estão verificar a autenticidade das informações e encontrar eventuais registros relacionados ao terreno supostamente destinado ao Instituto Lula.

O resultado da perícia, que estava marcada para começar no dia 10 de novembro, ainda não foi entregue pela Polícia Federal. Quando informou a Moro a data de início dos trabalhos, a corporação não fez previsão de data para a conclusão das atividades.

Em agosto, com base em documentos obtidos por meio do Drousys e que estavam armazenados na Suécia, o MPF entregou à Justiça um relatório dizendo que a Odebrecht usou seu "setor de operações estruturadas" --na prática, um departamento para repasse de propinas-- para pagar parte do terreno supostamente destinado ao Instituto Lula.

Lula questiona informações do sistema da Odebrecht

O pedido do MPF parece ser uma forma de rebater os questionamentos à integridade do Drousys feitos pela defesa de Lula. O ex-presidente abriu um processo, que corre em segredo de Justiça, no qual põe em dúvida a veracidade de documentos obtidos por meio do sistema.

Os advogados de Lula também têm feito pedidos reiterados a Moro para um depoimento do advogado Rodrigo Tacla Duran, ex-operador da Odebrecht, que tem questionado publicamente a confiabilidade das informações do Drousys.

Todos os pedidos para depoimentos de Duran foram negados por Moro. O advogado é réu na Lava Jato por lavagem de dinheiro; segundo o MPF, ele operou mais de R$ 55 milhões em propinas da UTC Engenharia para agentes públicos, especialmente dirigentes da Petrobras.

Duran mora na Espanha, país em que tem cidadania e está em liberdade provisória por decisão das autoridades locais. Ele também é investigado no país europeu por lavar dinheiro e repassar propinas milionárias.

Críticas à Lava Jato

Enquanto Moro tomava decisões nesta quinta-feira a respeito de pedidos protocolados pela defesa de Lula, o ex-presidente seguia em sua caravana pelo Estado do Rio, em ritmo de pré-campanha para as eleições de 2018 --Lula foi o líder na última pesquisa de opinião do Datafolha. Hoje, ele passou pelos municípios de Itaboraí, cidade da região metropolitana do Rio; e Duque de Caxias, Belford Roxo e Nova Iguaçu, todas na Baixada Fluminense.

Sempre crítico à Lava Jato em seus discursos, o petista tem aproveitado a passagem pelo Rio para fazer declarações sobre a atuação da operação especificamente no Estado. Nesta quinta, chegou a colocar em dúvida as acusações contra "governadores presos". Estão atrás das grades Sérgio Cabral (PMDB) --que foi aliado político de Lula-- e Anthony Garotinho (PR). Rosinha Garotinho (PR) chegou a ir para a cadeia, mas está em prisão domiciliar.

"Eu estou muito triste com o que está acontecendo com o Rio. O Rio não merece a crise que está passando. Não merece ter governadores presos porque roubaram. Eu nem sei se isso é verdade, porque não acredito em tudo o que a imprensa fala. É importante investigar, saber a verdade. Quem roubou tem que estar preso", declarou.

Em julho, Lula foi condenado a nove anos e meio de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, no chamado processo do tríplex do Guarujá (SP). A sentença foi dada pelo juiz Sergio Moro. Se a condenação for confirmada na segunda instância, no TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região), o ex-presidente pode ficar inelegível. A defesa de Lula diz que não há provas de que ele é culpado pelos crimes citados.

O tribunal não tem prazo para julgar o caso, mas estimativas com base no andamento de outros processos da Lava Jato apontam para uma decisão no primeiro semestre de 2018.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos