Topo

General diz que usará bons princípios se responder por articulação política

UOL
O general Santos Cruz, futuro ministro da Secretaria de Governo Imagem: UOL

Luciana Amaral

Do UOL, em Brasília

03/12/2018 14h08

O futuro ministro da Secretaria de Governo, general da reserva do Exército Carlos Alberto Santos Cruz, afirmou nesta segunda-feira (3) que se guiará por “bons princípios” se ficar responsável por parte da articulação política do Palácio do Planalto com o Congresso Nacional.

Atualmente, o titular da Secretaria de Governo tem sob suas atribuições conversar com parlamentares e tratar de pautas de interesse do Planalto na Câmara e no Senado. No entanto, a manutenção da função só deverá ser definida na manhã desta terça (4) em reunião entre Santos Cruz e o presidente da República eleito, Jair Bolsonaro (PSL), em Brasília.

Leia também:

Quando anunciada, a escolha de Santos Cruz para a pasta causou certa estranheza no mundo político pelo fato de ele não estar acostumado a tratar com parlamentares. Antes, estava no comando da Secretaria Nacional de Segurança Pública.

“Não tem problema nenhum [em ficar responsável pelo contato com o Congresso]. Se for raciocinar, se quer fazer o trabalho certo, não tem dificuldade nenhuma. É só você ser norteado por bons princípios que não tem segredo nenhum. A dificuldade é se você começa a se afastar de princípios que são fundamentais para o exercício de qualquer tarefa”, afirmou.

“Você tem de ouvir todo mundo e selecionar aquilo que é válido e aquilo que não é válido”, complementou, ao acrescentar que é preciso ser coerente com as expectativas de posturas éticas do governo Bolsonaro por parte da população.

Santos Cruz disse ainda não saber se a Secretaria de Governo englobará também o PPI (Programa de Parcerias de Investimentos) e negou ter preferência em relação às suas futuras atribuições. Segundo ele, para ter sucesso, é preciso ter pessoas competentes e aptas para o auxiliarem nos temas.