Topo

Sob gritos de 'presidente', Zé de Abreu chega e promete processar Bolsonaro

Marina Lang

Colaboração para o UOL, no Rio

08/03/2019 20h24Atualizada em 09/03/2019 02h57

Sob gritos de "nosso presidente", o ator José de Abreu foi recepcionado por fãs no aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro, em um ato que misturava sátira e insatisfação com o governo atual.

Abreu, que estava em viagem na Grécia, se autoproclamou "presidente" no último dia 25 de fevereiro e hoje, ao desembarcar, prometeu processar o presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL).

"Eu vou processá-lo. Ele apoia torturadores e pedófilos. Ele acha ruim alguém enfiar o dedo no ânus, mas acha bom o Ustra enfiar ratos nas vaginas de mulheres".

José de Abreu, ator.

José de Abreu: piada nas redes ganha seguidores na vida real - RICARDO MORAES/REUTERS
José de Abreu: piada nas redes ganha seguidores na vida real
Imagem: RICARDO MORAES/REUTERS
Os apoiadores, muitos com camisetas vermelhas do PT -- partido do qual Abreu é próximo --, também organizaram uma "posse simbólica" de Abreu.

Os atos ironizam a situação política da Venezuela, onde Juan Guaidó se autoproclamou presidente interino e tenta derrubar o ditador Nicolás Maduro.

Sob o grito de "É o presidente! É o presidente!", o ator empunhou um exemplar da Constituição Federal de 1988. Em sua "posse", ele leu um texto prometendo defender a Carta Magna e as leis do país.

"Ô, Bolsonaro, mete o pé, Brasil na frente. O Zé de Abreu é o nosso presidente", cantou o público que recepcionou o ator.

Também provocaram o presidente da República com a marchinha de paródia, que foi cantada no Carnaval: "doutor, eu não me engano, o Bolsonaro é miliciano". 

Procurado pelo UOL, o assessor de gabinete pessoal de Bolsonaro, Tércio Arnaud Tomaz, disse que não era preciso que a reportagem mandasse questionamentos e que "eles vão se resolver no tribunal". 

Ele também não respondeu aos questionamentos sobre a paródia que relaciona o presidente eleito a um suposto vínculo com milícias.

Bolsonaro ameaçou o ator com um processo por meio do Twitter nesta semana. Os dois trocaram farpas por meio da rede social. 

Tudo começou em 25 de fevereiro, quando Abreu, em uma brincadeira, se autoproclamou presidente pelo Twitter. Dias depois, em 6 de março, marcou Bolsonaro em um post dizendo a ele que "seu meteoro chegou" e chamando o presidente de "fascista". 

Bolsonaro respondeu rapidamente: "Estamos processando alguns e este 'meteoro' será o próximo!"

Mais Governo Bolsonaro